Inter joga bem, mas não leva

0
755
Companheiros consolam o jovem Peglow, de 18 anos, que chorou pelo pênalti perdido em Buenos Aires (Foto: Staff Images/CONMEBOL)
Companheiros consolam o jovem Peglow, de 18 anos, que chorou pelo pênalti perdido em Buenos Aires (Foto: Staff Images/CONMEBOL)

O último quadrifinalista foi definido na quarta-feira (9). Venceu o Boca Juniors, favorito no confronto com o Internacional, sobretudo após ter derrotado o Colorado no jogo de ida em Porto Alegre uma semana antes. O gol de Carlitos Tevez em pleno Beira-Rio jogou um balde de água fria nas pretensões dos torcedores do Internacional.

Pouca gente acreditava em uma reação, principalmente porque isto exigia uma vitória sobre a equipe xeneize na mítica La Bombonera. Ao contrário dos prognósticos, no entanto, o Internacional fez uma ótima atuação e devolveu a derrota ao bater o Boca por 1 a 0, gol contra do lateral esquerdo Fabra. E o resultado não refletiu exatamente o que se viu em campo. A equipe brasileira dominou completamente a partida e perdeu ótima oportunidade com a bola chutada por Tiago Galhardo no travessão do arqueiro Andrada.

Com dois resultados iguais, a decisão foi para as penalidades máximas. Na série de cinco pênaltis, Lomba defendeu a bola chutada por Cardona e Rodrigo Lindoso chutou por cima do travessão. Aí, iniciou-se a disputa pênalti a pênalti. Fabra cobrou muito bem e garantiu a vantagem do Boca. Porém, o jovem Peglow repetiu Lindoso e chutou a bola por cima do travessão, garantindo o time argentino nas quartas de final e a consequente eliminação do Internacional.

Ironicamente, Abel Braga conseguiu apenas duas vitórias desde que substituiu Eduardo Coudet como técnico do Colorado gaúcho, ambas por 1 a 0. Nas duas vezes, porém, foi eliminado das competições ao ser derrotado pelo América-MG na Copa do Brasil e pelo Boca Juniors, na Copa Libertadores da América.

Agora, o Boca Juniors enfrentará o Racing, outra equipe argentina, para definir um dos semifinalistas. Já ao Internacional, resta apenas o Brasileirão, onde ocupa a sexta colocação, com 38 pontos – 12 pontos atrás do São Paulo, líder da competição. O próximo adversário é o Botafogo, vice-lanterna do Campeonato Brasileiro, em jogo marcado para sábado (12) no Beira-Rio em Porto Alegre.

Brasileiros e argentinos dominam a Libertadores

Com a classificação do Boca Juniors, três equipes argentinas disputam as quartas de final da Copa Libertadores da América – o próprio Boca Juniors, Racing e River Plate. Os brasileiros também colocaram três times entre os quadrifinalistas – Palmeiras, Santos e Grêmio. Completam os classificados, o paraguaio Libertad e o uruguaio nacional.

Há possibilidade de haver uma final brasileira, caso o Palmeiras derrrotar o Libertad e vencer suas partidas na semifinal. Neste caso, será preciso que Santos ou Grêmio vença a outra chave. O mesmo pode ocorrer do lado argentino, caso o River Plate chegue à final. Aí, é necessário que Boca Juniors ou Racing saia vencedor da outra chave.

Palmeiras joga mal, mas obtém bom resultado

Após a dispensa de Vanderley Luxemburgo, o futebol do Palmeiras cresceu exponencialmente. A equipe parece ter sofrido uma transformação – para melhor. Primeiro, com o mandato tampão de Andrey Cebola, depois com a chegada do técnico português Abel Ferreira. Jogadores anters criticados pelos torcedores, começaram a mostrar um futebol vistoso e os jovens que entraram no time se adaptaram perfeitamente ao plano de jogo do treinador. Nem mesmo o surto de Covid-19 que tirou muitos atletas da equipe prejudicou o bom desempenho do Alviverde paulista.

Entretanto, nada disso foi visto no confronto com o Libertad do Paraguai na terça-feira (8) no Estádio Defensores del Chaco. Os jogadores jovens se mostraram tímidos e os veteranos não apresentaram o mesmo futebol visto em partidas anteriores. A exceção foi o zagueiro Gustavo Gómez, paraguaio que iniciou sua carreira exatamente no Libertad. Ele foi o autor do gol de abertura do placar a favor do Verdão e se recusou a comemorar em respeito à sua antiga equipe. No segundo tempo, porém, uma falha de Weverton em uma saída de gol permitiu o empate dos paraguaios. Apesar de jogar melhor, porém, o Libertad não conseguiu converter as chances e o empate acabou se transformando em bom resultado para o time paulista, que se classifica para a semifinal se não sofrer gol. Por ter feito gol fora de casa, um empate em 0 a 0 garante a classificação palmeirense no jogo marcado para terça-feira (15). O Libertad precisa empatar com mais gols para se classificar, enquanto empate em 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis. Obviamente, uma vitória para qualquer dos lados classifica o vencedor. 

Antes disso, porém, o Palmeiras recebe o Bahia pelo Campeonato Brasileiro. A questão agora é saber se Abel Ferreira, que está afastado por causa do Covid-19, colocaráem campo uma equipe mista para poupar os titulares para enfrentaro Libertad. Afinal, as chances de conquistar o título do Brasileirão são bastante remotas (2%), uma vez que está 12 pontos atrás do líder São Paulo e as chances de seguir na Libertadores são grandes.

Santos surpreende Grêmio em Porto Alegre

Ao lado do Palmeiras e do São Paulo, o Grêmio é a equipe brasileira que vem jogando o futebol mais eficiente, unindo plasticidade e eficiência – tanto que está invicto há 16 partidas. Todavia, o Santos – que vem fazendo boa campanha no Brasileirão e na Libertadores – mostrou porque deve ser considerado como candidato ao título, principalmente pela ótima fase do ponta direita Marinho. A se lamentar, o corte de Soteldo que contraiu Covid-19. O venezuelano compõem um ataque poderoso, ao lado de Marinho e de Kaio Jorge – autor do gol de abertura do placar na Arena do Grêmio na quarta-feira (19).

O Alvinegro praiano não se intimidou por jogar na casa do rival e apenas não venceu o rival ao sofrer o gol de empate nos acréscimos após um pênalti discutível. Diego Souza cobrou com perfeição e empatou a partida para o Grêmio, que sentiu bastante a ausência de Jean Pyerre, que não pôde atuar por causa de uma contusão. A situação nesta chave é igual à do Palmeiras, pois o resultado é o mesmo.

Antes do confronto decisivo, contudo, as equipes entram em campo pelo Campeonato Brasileiro. O Grêmio joga fora contra o lanterna Goiás no sábado (12), enquanto o Santos tem um compromisso bem mais difícil: enfrenta o Flamengo no Maracanã no domingo (13).

O outro semifinalista será definido no duelo entre River Plate de Buenos Aires e Nacional de Montevidéu. A primeira partida foi realizada na quinta-feira (10), mas infelizmente não sabemos o resultado porque a edição foi fechada antes da realização da partida.

São Paulo abre larga vantagem no Brasileirão

O Tricolor paulista parece estar revivendo os velhos tempos de Soberano. Depois de um longo período de frustrações e decepções, a torcida do São Paulo finalmente tem motivos para comemorar. Com 14 rodadas para encerrar o Brasileirão, o time paulista está sete pontos à frente do Atlético-MG, vice-líder da competição.

Nos útimos três jogos contra times da parte de baixo da tabela, o Tricolor obteve nove pontos, derrotando Goiás (3 a 0), Sport (1 a 0) e Botafogo (4 a 0). 

A vitória sobre o Alvinegro carioca na quarta-feira (9) no Morumbi aumentou a crise no Botafogo – que coleciona dez derrotas, sendo seis derrotas consecutivas nas últimas partidas. O São Paulo simplesmente massacrou o time carioca com dois gols de Brenner, um de Hernanes e um de Reinaldo cobrando pênalti. 

A euforia dos torcedores do time do Morumbi se justifica, no entanto, o técnico Fernando Diniz e o elenco pregam concentração e humildade. Afinal, o São Paulo tem maior número de vitórias (14), menos derrotas (2), segundo melhor ataque (42 gols contra 43 do Galo) e melhor defesa ao lado do Grêmio (20). Porém, os próximos adversários são equipes mais qualificadas ou tradicionais, como o Corinthians, arquirrival que cumpre má campanha no Brasileirão, mas nunca foi derrotado pelo São Paulo na Neoquímica Arena. Na sequência, recebe o Galo no Morumbi. Caso vença os dois jogos, aumenta significativamente suas chances de ser campeão. Em caso de duas derrotas e vitórias do Atlético-MG, o Brasileirão ficará eletrizante.


Futebol de botão sobrevive em Newark

Só mesmo quem jogou futebol de botão pode entender a magia que se esconde sob aqueles plásticos redondos com os nomes dos jogadores das principais equipes brasileiras. É um sentimento de pertencimento e, por que não?, de entrega, uma vez que os jogadores se travestem de técnicos, dirigentes e sobretudo dos próprios craques que brilham nos gramados.

Por isso, fico feliz em saber que esta tradição ainda vem sendo mantida por um grupo de Newark, comandado por Anderson “Batman”.

Aqui está seu depoimento sobre os “astros” do futebol de botão:

“Vivo aqui no Ironbound há quase 20 anos e nasci em São Paulo (SP). Sou representante da Ironbound League Button Soccer junto com o meu amigo Cesar Carneiro. 

“Desde 2018 jogamos futebol de botão após nos encontramos com o João Carvalho da Button Soccer USA, o precursor do futebol de botão aqui nos Estados Unidos. Desde então praticamos este esporte reconhecido desde 1988. 

“Há outras ligas de futebol de botão, uma outra aqui em New Jersey e uma outra em NYC.” 

“Existe também uma liga em Houston comandada pelo meu amigo Valmar Domingues e uma outra no Canadá liderada pelo também amigo Thiago Vasconcellos. As ligas se encontram esporadicamente para os torneios e jogamos as regra de 12 toques americana. Baseada na regra 12 toques oficial que é jogada pelos profissionais do Brasil.” 

“E recentemente no Ironbound foi realizado o 3º Newark Cup, realizado pela Ironbound League, que também é responsável pelo torneio temático Rock n’ Goal, programado para o mês de agosto. Os times de futebol são representados por bandas e o torneio é realizado ao som das bandas. Diversão garantida e atualmente o time Queen é o Bi-campeão vencedor das duas edições. A ideia é que todos aqueles que jogaram um dia ou mesmo que não tenham jogado mas possuam aquela paixão pelo futebol, possam buscar através do futebol de botão a alegria de reviver a infância e adolescência e ter como válvula de escape desse mundo em vivemos. Pru gol!”