Investigação de Wisconsin não encontrou fraude eleitoral, segundo juíza

Segundo a juíza Valerie Bailey-Rihn, esta insistência já causou muito gasto de dinheiro dos contribuintes

0
134
O presidente da Assembleia Republicana de Wisconsin, Robin Vos, pode apelar da decisão da juíza (Foto: wpr.org)
O presidente da Assembleia Republicana de Wisconsin, Robin Vos, pode apelar da decisão da juíza (Foto: wpr.org)

Uma juíza de Wisconsin disse na quinta-feira (28) que uma investigação ordenada pelos republicanos e financiada pelos contribuintes sobre a eleição de 2020 não encontrou “absolutamente nenhuma evidência de fraude eleitoral”, mas revelou desprezo pela lei de registros abertos do estado pelo presidente da Assembleia Robin Vos e um ex-Supremo Tribunal estadual de justiça que ele contratou.

A juíza do condado de Dane, Valerie Bailey-Rihn, concedeu cerca de $98,000 em honorários advocatícios ao grupo de vigilância liberal American Oversight, encerrando no tribunal do circuito um dos quatro processos movidos pelo grupo. O advogado de Vos, Ron Stadler, disse estar recomendando que Vos apele da decisão.

As taxas serão pagas pelos contribuintes, razão pela qual a juíza disse que também não estava concedendo danos punitivos adicionais contra Vos. Os custos para os contribuintes da investigação, incluindo taxas legais em andamento, ultrapassaram $1 milhão. “Acho que as pessoas do estado de Wisconsin foram punidas o suficiente para este caso”, disse Bailey-Rihn.

Todos os processos da American Oversight decorrem de solicitações de registros feitas a Vos e Michael Gableman, ex-juiz da Suprema Corte de Wisconsin contratado por Vos em junho de 2021 para investigar a eleição presidencial de 2020 vencida pelo presidente Joe Biden. Vos ordenou a investigação sob pressão do perdedor da eleição Donald Trump, que continua a alegar falsamente ter havido fraude generalizada em Wisconsin e que a vitória de Biden deveria ser cancelada, algo impossível que Vos repetidamente se recusou a apoiar. Até o advogado de Gableman disse que a descertificação era “inútil”.