Irmãos presos injustamente por 31 anos recebem indenização de $75 milhões na Carolina do Norte

Os dois foram acusados de estuprar uma menina de 11 anos; DNA comprovou inocência de ambos

0
2395
Henry Lee McCollum, de 57 anos, preso injustamente juntamente com seu irmão (Foto Pedro Fanega - Flickr)

A Justiça da Carolina do Norte determinou que dois irmãos condenados em 1983 por um crime que não cometeram, recebam indenizações que chegam a $75 milhões. Eles foram acusados de estuprar e matar uma menina de 11 anos na cidade de Red Springs, na Carolina do Norte.

Henry Lee McCollum e seu meio irmão, Leon Brown, ficaram presos injustamente por 31 anos e foram liberados em 2014 – na época com 50 e 46 anos – quando um exame de DNA comprovou a inocência de ambos. Eles são negros e têm deficiência intelectual.

Esta semana, um júri formado por oito pessoas decidiu pelo pagamento da indenização milionária.

“É o veredicto mais severo proferido por um caso de erro judicial na história dos Estados Unidos”, disse o advogado dos irmãos, Me Des Hogan.

Para Hogan, “o júri quis enviar uma mensagem para dizer que os velhos tempos acabaram”, quando as autoridades prestavam pouca atenção aos direitos das pessoas marginalizadas, pobres e de cor que vivem nas zonas rurais.

Os dois tinham 19 e 15 anos quando foram detidos em 1983, após uma denúncia anônima – de uma adolescente que depois se retratou – pelo estupro e o homicídio de Sabrina Buie. O corpo da menina tinha sido encontrado seminu em um campo, em meio a latas de cerveja e guimbas de cigarros.

Por fim, sua inocência foi reconhecida em 2004 após exames de DNA realizados em uma das guimbas encontradas perto da vítima. A amostra correspondia a um homem que morava a 100 metros do local do crime e que um mês depois estuprou e matou uma jovem de 18 anos, pelo qual foi condenado. (Com informações da AP)