Ken Griffin da Citadel traz bilhões para Miami e aposta em Ron DeSantis para presidente da República

O fundador da Citadel, avaliada em $29.6 bilhões, troca Chicago pela Wall Street South

0
437
Ken Griffin volta a Miami com intenção de transformar o cenário financeiro e econômico do sul da Flórida (Foto: citadel.com)
Ken Griffin volta a Miami com intenção de transformar o cenário financeiro e econômico do sul da Flórida (Foto: citadel.com)

Em alguns anos, se tudo correr conforme o planejado, Miami parecerá bem diferente do que é hoje.

Ainda haverá boates, Little Havana, e outros marcos que caracterizam a cidade. Mas programadores e gerentes de portfólio deverão estar enchendo as ruas da Brickell e gerando muitos lucros dentro da sede global de última geração construída do zero pela Citadel e Citadel Securities. Além disso, legiões de advogados, contadores e aspirantes a fundos de hedge seguem o dinheiro para a duradoura Wall Street South que sobrevive à pandemia de Covid-19.

Esta é a visão de Ken Griffin, a pessoa mais rica da Flórida depois de ter mudado sua família e seu império financeiro de Chicago para Miami. Com uma fortuna de $29.6 bilhões, ele é uma força nos negócios, filantropia e agora também na política.

Alguns moradores de Miami estão mais entusiasmados do que outros. Os defensores apontam para o efeito multiplicador na economia local resultante de milhares de trabalhadores bem pagos, com todos – de Jeb Bush a Jorge Perez – enxergando a Citadel como um catalisador que tornará Miami a nova capital americana das altas finanças e tecnologia, com a vinda também de toda infraestrutura e cultura. Os mais céticos questionam quais comunidades serão removidas neste processo — e se Griffin tem planos maiores dentro deste conceito.

O fundador da Citadel está tentando um feito raro: se mudar no auge de sua carreira, em um momento em que seu negócio está prosperando, para uma cidade mais maleável, onde o vento está a seu favor. Em vez de agir como o bilionário democrata J.B. Pritzker na capital do estado, ele tem um governador com ideias semelhantes, o republicano Ron DeSantis, que Griffin disse que apoiará para a Presidência em 2024, mesmo contra Donald Trump.

Griffin, 53, não apresentou uma agenda formal ou fez doações extravagantes. O local da futura sede da Citadel – uma torre reluzente à beira-mar, com uma lista de desejos que inclui um heliporto, uma marina e janelas que se abrem para a Baía de Biscayne – é, por enquanto, um terreno baldio. Ele planeja acomodar sua família e colegas e ouvir as necessidades do sul da Flórida antes de fazer sentir sua presença, tanto profissional quanto filantropicamente, na região onde nasceu e foi criado.

Mas não se engane. Ele pretende ter impacto. “Não entramos pela metade— entramos com tudo”, garantiu Griffin em uma entrevista em Miami.