Mais uma jovem do Texas se declara indocumentada depois de eleita a melhor da escola

Formanda que também se revelou indocumentada em post no Twitter sofreu agressões online

0
6072
Mayte teve de deletar sua conta do Twitter com medo de represálias

 

DA REDAÇÃO – Depois da jovem Larissa Martinez, que causou furor esta semana os declarar-se imigrante indocumentada no seu discurso de formatura na sua high school texana, onde foi a melhor aluna e conseguiu bolsa para Yale, mais uma ‘melhor aluna da escola’, também no Texas, fez o mesmo através de um post no Twitter.

“Primeira aluna da escola, 4.5 GPA [grau de avaliação escolar], bolsa integral da UT, 13 condecorações e medalhas, belas pernas e, ah, sim, indocumentada,” escreveu Mayte Lara Ibarra na sua conta da rede social, deletada em seguida.

O tweet, postado no dia 3 de junho, foi compartilhado por mais de nove mil pessoas e recebeu quase 22 mil curtidas antes que a conta fosse deletada. A declaração da jovem de 17 anos gerou revolta, com gente ameaçando Mayte de entregá-la à imigração, e outros pedindo para que seja suspensa qualquer ajuda financeira à melhor aluna da escola.

Em resposta, Mayte disse que poderia ter escolhido melhor as palavras, mas que sua intenção foi encorajar outros alunos que enfrentam obstáculos semelhantes. “A razão pela qual eu postei foi para mostrar aos outros que é possível alcançar qualquer coisa, não importa que obstáculos você encontre pela frente,” disse a jovem ao jornal The Austin American-Statesman.

“Queria que todo mundo entendesse que o meu tweet não foi para zombar de ninguém,” continuou. “Só quis mostrar que, não importa que barreiras você possa ter no caminho, você pode vencer.” Mayte disse que viveu a maior parte da vida nos EUA, e que mora em Austin (Texas) há quinze anos. Formada pela Crockett High School, Mayte foi beneficiada pelo DACA, uma política imigratória que permite a alguns jovens que tenham entrado ainda quando crianças nos EUA uma licença temporária para trabalhar e estudar legalmente no país.

Quanto às objeções por ela ter recebido bolsa de universidade estadual, a lei do Texas “não distingue entre documentados e indocumentados formados nas high schools do estado para admissões ou ajuda financeira,” disse o porta-voz da Universidade, Gary Susswein, ao The Statement.

Mayte disse ainda que as mensagens de ódio dirigidas a ela deixaram ela e sua família com medo. “Não sei se voltarei para o Twitter. Descobri que as mídias sociais estão cheias de pessoas cruéis, que sempre têm alguma coisa a dizer,” afirmou.

Na semana passada, Larissa Martinez, outra jovem primeira aluna de uma high school do Texas declarou-se indocumentada no seu discurso de formatura.

“No dia 11 de julho serão exatos seis anos desde que me mudei do México, onde nasci, para McKinney,” disse Larissa no seu discurso. “Quando as pessoas me veem aqui […] elas acham que minha vida está resolvida. Aos onze anos eu era nada mais que uma menina filha de um pai abusivo e alcoólatra,” continuou. “Uma menina cujo sonho era tornar-se americana, achando que a mudança de país resolveria todos os problemas da vida.”

Larissa também aproveitou o discurso para questionar a política imigratória proposta pelo candidato Republicano à presidência, Donald Trump, com relação ao México. “A América pode ser grande novamente sem a construção de um muro erguido sobre o ódio e o preconceito,” disse.

A formanda, que ganhou bolsa integral para Yale, recebeu aplausos de pé após o discurso.