Manifestações contra a reunião do G20 tomam conta das ruas de Hamburgo

Encontro de líderes vai reunir Trump e Putin no mesmo local

0
1190
Protestos tomam conta de Hamburgo contra a reunião do G20
Protestos tomam conta de Hamburgo contra a reunião do G20

DA REDAÇÃO – A polícia da Alemanha dispersou na quinta-feira (6) uma manifestação contrária à reunião do G20 em Hamburgo, na Alemanha. O tema do protesto, que é também usado como hashtag em redes sociais, é “Bem-vindos ao inferno” (#welcometohell).

A polícia agiu quando um grupo de black blocs, mascarados e com roupas pretas, se misturou aos outros manifestantes. Na Alemanha não é permitido se manifestar com máscara. Como não foi possível separar os black blocs dos demais, o avanço do protesto foi impedido pelos agentes, e então veio o confronto.

Doze mil manifestantes estavam nas ruas. Deles, cerca de mil eram black blocs.

Chamada de “Welcome to Hell” (“Bem-vindos ao Inferno”), a manifestação é a mais importante entre as previstas para acontecer na cidade durante a reunião da cúpula. O protesto começou no Mercado de Peixe (Fischmarkt) de Hamburgo, no centro da cidade, às margens do Rio Elba.

À frente da marcha, um grande cartaz pedia para “esmagar o G20” (“smash G20”). Ela foi convocada por uma autodenominada “aliança autônoma anticapitalista”. O objetivo dos organizadores era rodear o Palácio dos Congressos, onde estão as delegações da reunião.

Cerca de 20 mil policiais de várias partes da Alemanha foram deslocados para Hamburgo como medida antiterrorismo e para evitar a violência nas cerca de 30 manifestações previstas durante a reunião.

Trump e Putin vão se encontrar

Donald Trump vai se encontrar com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, na próxima semana na cúpula do G20 em Hamburgo, na Alemanha, disse a Casa Branca. O encontro será realizado entre 7 e 8 de julho.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, HR McMaster, fez o anúncio em um briefing da Casa Branca, acrescentando que “não há uma agenda específica. Será realmente o que o presidente quiser falar.”

O primeiro encontro entre os dois líderes virá em meio a tensões entre os EUA e a Rússia, pois os dois países detêm diferenças sobre uma série de questões, incluindo o conflito na Síria, a crise ucraniana e a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).