Manifestantes invadem Capitólio e interrompem sessão de confirmação da vitória de Biden

Trumpistas furaram a segurança do prédio e escalaram uma estrutura montada para a posse de Joe Biden. Eles querem invalidar vitória do presidente eleito

0
895
Seguranças apontam armas para manifestantes que tentam arrombar a porta de uma dos salões do Capitólio (foto: reprodução Twitter)
Seguranças apontam armas para manifestantes que tentam arrombar a porta do plenário do Capitólio (foto: reprodução Twitter)

Milhares de apoiadores de Donald Trump invadiram o Capitólio nesta quarta-feira (6), onde uma sessão conjunta do Senado e da Câmara discutia a confirmação de Joe Biden como presidente eleito.

Aos gritos de “acabem com o roubo”, eles interromperam a sessão e os parlamentares foram retirados do local pelos seguranças.

Portas foram arrombadas e a polícia legislativa usou gás lacrimogênio para dispersá-los. Ao tentarem arrombar a porta que dá acesso ao plenário onde aconteciam os debates, os seguranças apontaram armas para o grupo. Até o momento, não há registro de feridos.

Mais cedo, Trump tuitou que seu vice-presidente, Mike Pence, que preside a sessão do Congresso, não teve “coragem para fazer o que deveria ter sido feito para proteger o país”.

Ao lado do seu advogado, Rudy Giuliani, ele também falou diretamente com a multidão reunida em frente ao prédio do Capitólio em Washington DC horas antes da entrada dos manifestantes. Em um rápido discurso, Trump reiterou várias vezes que a eleições foram “fraudadas pelos Democratas”, inspirando uma revolta generalizada dos seus apoiadores. “Nós nunca desistiremos, nunca concederemos”, declarou. “Nós pararemos o roubo”, disse. 

A cidade de Washington DC decretou toque de recolher a partir das 6 p.m. em uma tentativa de conter uma possível escalada da violência.

Em geral, a tradicional cerimônia de confirmação do presidente eleito dos EUA dura pouco tempo, já que trata-se apenas de uma formalidade.

Antes deixar a sala onde acontecia a sessão, mas ainda com os microfones ligados para as coberturas dos canais de televisão, ouviu-se o vice-presidente Mike Pence fazer uma pergunta a alguém ao seu lado: “A minha carta seguiu, certo?”