Miami Dolphins morreu na praia

0
1435

Pois é, outro ano que passou, porém o resultado não mudou. Novamente Miami Dolphins está fora dos playoffs da National Football League (NFL), e mais uma vez New England Patriots consegue ser campeão da chave e garantiu vaga na primeira rodada dos playoffs.

Como consequência desta temporada medíocre – sete vitórias e nove derrotas -, o técnico Adam Gase perdeu o emprego e a franquia do Sul da Flórida falou abertamente que está em busca de um novo quarterback para substituir Ryan Tannehill – embora ele tenha demonstrado talento, nunca se destacou como excepcional e ainda por cima foi castigado por uma série de contusões.

Agora, chegou o momento de reconstruir a franquia e tentar quebrar a hegemonia do New England Patriots, pois nos últimos anos Miami Dolphins, New York Jets e Buffalo Bills só fazem figuração. Pelo menos, Dolphins conseguiu ir a um playoff, porém, não passou da primeira partida.

Isto foi consequência da chamada “Black Monday”, que aconteceu no último dia do ano de 2018, e serviu para demitir vários técnicos que decepcionaram na temporada 2018/2019. Foi o dia seguinte ao encerramento da temporada regular na NFL acabou no último domingo, com a confirmação dos 12 classificados para os playoffs.

Não foi apenas Miami Dolphins que decepcionou. Há várias franquias das quais se esperava muito, mas acabaram deixando a desejar e agora só verão a pós-temporada pela televisão. Confira abaixo quais são elas e o motivos pelos quais não renderam o esperado.

Pittsburgh Steelers

Tido como um dos favoritos ao título, acabou fora dos playoffs na última rodada. A campanha (9 vitórias, 7 derrotas e 1 empate) não foi péssima e até classificaria a equipe em várias temporadas, mas o desempenho deixou a desejar em muitos momentos. Um time com o talento que Pittsburgh tem, sobretudo no ataque, não pode ser eliminado na fase regular, ainda mais em uma divisão sem grandes adversários.

Houve vários problemas no vestiário. O último, revelado pela imprensa americana, foi o desentendimento entre Antonio Brown, um dos melhores recebedores da NFL, com um companheiro, que o deixou fora da rodada final. Ele também já havia reclamado publicamente e não tem boa relação com o quarterback Ben Roethlisberger. A franquia também ficou no meio da confusão envolvendo Le’Veon Bell, que não jogou a temporada inteira por conta do impasse contratual, o que colaborou para o fracasso. A derrocada veio no fim com quatro derrotas em seis partidas, a defesa produzindo muito pouco, erros em momentos decisivos dos jogos.

Jacksonville Jaguars

Pelo desempenho na última temporada, quando esteve na final da AFC, também poderia ser a maior decepção. Mas é inegável que há muito mais talento ofensivo nos Steelers. E foi justamente esse o grande problema dos Jaguars. Mas nada que surpreenda: todo mundo sabia que Blake Bortles não era um quarterback confiável. O ano dele foi péssimo, tanto que foi para o banco. E é quase impossível ter sucesso dessa forma! Leonard Fournette, grande nome do ataque e que poderia compensar a deficiência no jogo aéreo, perdeu várias partidas por lesão e não rendeu o esperado.

A defesa, que na temporada anterior foi um espetáculo, também deixou a desejar e não foi aquela dominante de antes. Sem ela, ficou impossível ter algum sucesso, ainda mais com a fraqueza ofensiva. Assim os Jaguars passaram da final da AFC para a última posição na divisão, com apenas cinco vitórias. Para 2019, é fundamental e necessário contratar um bom quarterback para sonhar com algo.

Minnesota Vikings

Esse é um caso que mistura um pouco dos dois acima. Um time que tem muito talento no ataque e na defesa, era tido como um dos favoritos na conferência, mas decepcionou e está fora dos playoffs. E isso se confirmou com requintes de crueldade, já que perdeu para o rival Chicago Bears em casa, quando necessitava apenas da vitória para se classificar. E a falta de um quarterback de elite fez muita diferença. O time apostou em Kirk Cousins, que provou não ser o cara certo para levar uma franquia ao topo.

Cousins foi irregular durante todo o ano e falhou nos momentos decisivos. Não conseguiu comandar bem o bom ataque e produzir em alto nível. Agora, tem um desempenho de 4 vitórias e 25 derrotas contra times com campanhas positivas. Ou seja, não conte com ele para ganhar de adversários bons. Outras coisas também não funcionaram em Minnesota nesta temporada, não dá para colocar toda a culpa no quarterback, mas ele pode sim ser considerado o maior responsável pelo fracasso dos Vikings, que na última temporada estiveram na final da NFC. A campanha de 8 vitórias, 7 derrotas e 1 empate não é uma tragédia, mas esperava-se muito mais pelo talento que possui.

Atlanta Falcons

Muita gente colocava os Falcons como grande candidato a ser o primeiro time da história a jogar o Super Bowl em casa. Não acontecerá. Mas nesse caso vale ressaltar que o time foi dizimado pelas lesões ao longo da temporada, sobretudo na parte defensiva. Atlanta perdeu seus principais jogadores no setor machucados e assim viu também suas chances de classificação acabarem.

Matt Ryan fez temporada muito boa, produzindo em jardas, touchdowns, com poucas interceptações, mas o jogo corrido ficou abaixo do esperado. Mesmo assim, os problemas defensivos foram os maiores responsáveis pela queda precoce de Atlanta.

Green Bay Packers

Um ano em que nada deu certo para o Green Bay Packers. Tanto que o técnico Mike McCarthy foi demitido com a temporada em andamento, o que é bem difícil de acontecer na NFL. O time sofreu muito por conta da saúde de Aaron Rodgers, que se lesionou já no primeiro jogo e claramente não esteve 100% nas rodadas seguintes.

A proteção da linha ofensiva foi muito ruim, ataque e defesa também estiveram abaixo do esperado… Houve vários problemas em Green Bay, que pela primeira vez desde o início dos anos 90 tem duas temporadas seguidas com mais derrotas do que vitórias. E, se quiser ter sucesso nos próximos anos, a franquia precisa melhorar a proteção a Aaron Rodgers, que tem potencial de sobra para reerguer uma das equipes mais tradicionais de toda a liga. Seis vitórias em 16 partidas é pouquíssimo para os Packers.