Mourão: Brasil caminha para independência na produção de vacinas

Vice-presidente publicou artigo sobre perspectiva de vacinação

0
318
Hamilton Mourão prevê 100% de vacinação até o final do ano (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Hamilton Mourão prevê 100% de vacinação até o final do ano (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

DA REDAÇÃO – O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, publicou na quarta-feira (2) em suas redes sociais, artigo no qual defende que o Brasil caminha para a contenção da pandemia de covid-19. 

Entre os argumentos apresentados pelo vice-presidente está o avanço da vacinação no país. De acordo com Mourão, “em maio, o Ministério da Saúde bateu recorde de distribuição de vacinas com mais de 33 milhões de doses entregues e em junho deve superar esse recorde, com mais de 40 milhões de doses distribuídas para todo o Brasil.” Ele destacou a marca de 100 milhões de doses distribuídas aos estados brasileiros alcançada nesta quarta-feira.

Hamilton Mourão também disse que o Brasil deverá se tornar referência na produção de imunizantes com insumos nacionais. Destacou o acordo assinado com a AstraZeneca na terça-feira (1). A transferência de tecnologia permitirá ao Brasil produzir o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) e, com isso, o país se tornará independente na produção do imunizante.

As vacinas 100% nacionais começam a ser produzidas em junho e as primeiras doses serão entregues em outubro. “O domínio da tecnologia e do processo de desenvolvimento dos imunizantes proporcionará ao Brasil independência, redução de custos e agilidade no combate ao vírus e às mutações que porventura surjam no País”, disse.

Segundo o vice-presidente, “com a encomenda de mais de 600 milhões de doses e o ritmo acelerado de entregas, a expectativa do Ministério da Saúde é de que, até o final deste ano, toda a população brasileira acima de 18 anos seja vacinada.”

Outro ponto destacado pelo vice-presidente em seu artigo é a recuperação da economia brasileira. Segundo Mourão, estímulos fiscais e o auxílio emergencial repassado à população mais vulnerável compensaram a perda de rendimentos e permitiram que a queda do Produto Interno Bruto (PIB) fosse menor que a de outros países da América Latina e do continente europeu. Nesta semana o IBGE divulgou que o PIB brasileiro apresentou crescimento de 1,2% no primeiro trimestre do ano.

Hamilton Mourão também destacou o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm 2021), que, segundo ele, evitou mais de 10 milhões de demissões. “Somos um dos poucos países que terminaram o ano de 2020 com geração de milhares de empregos formais. De janeiro a abril deste ano, já temos mais de 950 mil novas carteiras assinadas.”, comemora.