Mulher se declara culpada de elaborar processos imigratórios falsos na Flórida

Durante oito anos, ela teria desviado $4 milhões que seriam pagos ao U.S. Citizenship and Immigration Services (USCIS) para processar pedidos de asilo e outros trâmites imigratórios

0
980
Segundo o processo judicial, ela agia em parceria com outras pessoas nas regiões de West Palm Beach e Lake Worth (foto: Wikimedia)
Segundo o processo judicial, ela agia em parceria com outras pessoas nas regiões de West Palm Beach e Lake Worth (foto: Wikimedia)

Laura Luz María Torres, líder de uma rede criminosa que desviou $ 4 milhões que seriam pagos ao U.S. Citizenship and Immigration Services (USCIS), confessou-se culpada nesta segunda-feira (28) de ter cometido crimes de fraude do sitema de imigração, roubo e lavagem de dinheiro.

Segundo a confissão feita a uma corte judicial do sul da Flórida, ela recebia dinheiro de imigrantes, a maioria de países da América Central, para elaborar pedidos de asilo que não eram concluídos, entre outros trâmites.

“Muitos dos clientes, principalmente hondurenhos e guatemaltecos, que solicitaram a assistência de Torres haviam entrado ilegalmente nos EUA há muitos anos e não podiam receber o benefício de asilo”, disse a Promotoria em nota.

“Ela se apresentava aos imigrantes como uma pessoa qualificada e experiente para prestar esse tipo de serviço e cobrava entre $ 2,5 mil e quatro mil dólares para elaborar os pedidos”.

Além da fraude na prestação de serviços de imigração, ela também falsificava declarações para obter verbas de assistência social à pessoas de baixa renda.

Segundo o processo judicial, Laura agia em parceria com outras pessoas e, durante os anos de 2012 e 2020, milhares de imigrantes, a maioria da região de West Palm Beach e Lake Worth foram ludibriados pela quadrilha.

A sentença será dada em março, se condenada ela poderá pegar até 15 anos de prisão.