Obama afirma que Hillary está pronta para ser presidente

Presidente discursou na Convenção Democrata na noite de quarta-feira (27) e também ‘alfinetou’ Trump

0
2537
Hillary apareceu no fim do discurso de Obama para sauda-lo na convenção democrata
Hillary apareceu no fim do discurso de Obama para saudá-lo na convenção democrata

Da Redação com Reuters – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou em discurso na noite de quarta-feira (27) na convenção nacional do Partido Democrata, que Hillary Clinton, é a pessoa mais qualificada que já existiu para governar o país. “Ela está apta e pronta para ser a próxima comandante”, disse Obama.

Obama foi a principal atração da noite no evento realizado na cidade da Filadélfia. Hillary fez uma aparição ao final da fala do presidente e o abraçou.

“Nada realmente o prepara para as exigências do Salão Oval. Até você se sentar naquela mesa, não sabe como é gerenciar uma crise global ou enviar os jovens para a guerra. Mas Hillary esteve no salão: ela foi parte dessas decisões. Mesmo no meio da crise, ela ouve as pessoas, e mantém a calma, e trata todos com respeito. E não importa quão desalentadoras sejam as probabilidades, não importa quanto tentem derrubá-la, ela nunca, nunca desiste”, afirmou.

“Essa é a Hillary que eu passei a admirar. E é por isso que eu posso dizer com confiança que nunca houve um homem ou uma mulher — nem eu, nem Bill [Clinton] — mais qualificado do que Hillary Clinton para servir como presidente dos Estados Unidos”, disse. “Espero que não ligue, Bill, mas só estou dizendo a verdade”, brincou com o marido da candidata e ex-presidente, que também estava na convenção.

Trump

Como já fez em outras ocasiões, Obama construiu um discurso em torno das qualidades americanas, com tom esperançoso opondo-se à visão de ‘lei e ordem’ pregada pelo oponente Donald Trump. O presidente criticou o tom pessimista do magnata e apelou para a união de todos pela democracia. “Levaremos Hillary à vitória neste outono, porque é isso que o momento exige”.

FOTO: Lucy Nicholson/Reuters