Ossada encontrada há 17 anos em chaminé em Boston pode ser de brasileira, aponta DNA

Investigações localizaram um possível parente da vítima no interior de Goiás; um brasileiro teria trabalhado como zelador do prédio em que o cadáver foi encontrado

0
2996
Ossada foi encontrada em chaminé pelo zelador de prédio residencial em Boton ( foto: Reprodução/TV Globo)
Prédio residencial em Boston onde a ossada foi encontrada (foto: Reprodução/TV Globo)

A polícia de Boston, Massachusetts, descobriu novas pistas sobre um assassinato que ocorreu na cidade há 17 anos, e uma delas indica que a ossada encontrada em uma chaminé pode ser de uma brasileira. Os restos mortais foram achados por Eric Speller, que trabalhava como zelador de um prédio residencial no ano 2005. Ao programa Fantástico, da Rede Globo, Speller disse que levou um susto ao abrir a chaminé. “Logo que comecei a trabalhar aqui, percebi que precisávamos limpar a chaminé. E aí contratei uma empresa para fazer o serviço. Quando abriram o acesso, uma mão humana caiu para fora”, contou o zelador.  

Os agentes foram chamados ao local, mas as condições do cadáver dificultaram as investigações e o processo ficou paralisado, sem que a identidade da vítima pudesse ser descoberta. Estima-se que o homicídio ocorreu em 2003. Em 2019, um novo detetive assumiu o caso e solicitou novos exames na ossada. Desta vez, os legistas descobriram que os restos mortais pertenciam a uma mulher com idade entre 25 e 35 anos, e que ela tinha tido filhos. Além disso, uma prótese dentária que pertencia à vítima foi fabricada no Brasil.

Com essas informações, a polícia de Massachusetts cruzou dados genéticos da mulher e encontrou um parente distante em Cumari, Goiás. O padre Murah Peixoto Vaz, que comanda uma paróquia na cidade, disse que levou um susto ao ser contactado pelo FBI. ” O FBI entrou em contato com o delegado e falou que eles estão em uma investigação policial de uma pessoa que foi assassinada nos EUA e que bateu correspondência comigo no DNA”, contou.

Murah falou que vai colaborar  com as autoridades na coleta de amostras de DNA seu e de seus parentes para levantar informações úteis. 

O zelador do prédio onde o crime ocorreu, recordou que um brasileiro trabalhou como zelador do edifício por alguns anos, antes de ele assumir o posto. Speller destacou que o assassino deveria ter acesso ao local para levar o corpo e escondê-lo atrás da parede de tijolos sem nenhum morador suspeitar. A polícia de Boston afirmou que todos os detalhes serão investigados.