Otan envia 40 mil soldados para fronteira da Ucrânia

Apesar dos apelos do presidente ucraniano por mais ajuda, a Aliança disse que ação é ‘preventiva’ e reforçou que não colocará tropas no país

0
438
Soldados romenos usando distintivos da NRF. Como parte de sua preparação operacional para a Força de Resposta da OTAN (NRF) (Foto: Frédéric Pétry/Hans Lucas/Reuters)
Soldados romenos usando distintivos da NRF. Como parte de sua preparação operacional para a Força de Resposta da OTAN (NRF) (Foto: Frédéric Pétry/Hans Lucas/Reuters)

DA REDAÇÃO – Em cúpula realizada na quinta-feira (24) em Bruxelas os países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) anunciaram o aumento das tropas em seu flanco leste e prometeram aumentar sua assistência à Ucrânia em cibersegurança, além de proteção contra armas químicas, biológicas, radiológicas e nucleares. Apesar dos apelos do presidente ucraniano por mais ajuda, a Aliança reforçou que não colocará tropas no país.

“Em resposta às ações da Rússia, ativamos os planos de defesa da Otan, destacamos elementos da Força de Resposta da Otan e colocamos 40.000 soldados em nosso flanco leste, juntamente com meios aéreos e navais significativos, sob comando direto da Otan apoiado por destacamentos nacionais dos Aliados”, disse o chefe da Otan, Jens Stoltenberg.

Stoltenberg disse que a aliança já fornece apoio à Ucrânia desde 2014, quando houve a anexação da Crimeia pela Rússia. “Treinamos as forças armadas da Ucrânia, fortalecendo suas capacidades militares e aumentando sua resiliência. Os Aliados da Otan intensificaram o seu apoio e continuarão a fornecer mais apoio político e prático à Ucrânia, à medida que continua a defender-se”, disse.

A Otan, que já aumentou massivamente sua presença em suas fronteiras orientais desde o início da guerra, com os cerca de 40.000 soldados espalhados do Báltico ao Mar Negro, concordou em estabelecer quatro novas unidades de combate na Bulgária, Romênia, Hungria e Eslováquia.

“Os Aliados da Otan também continuarão a prestar assistência em áreas como segurança cibernética e proteção contra ameaças de natureza química, biológica, radiológica e nuclear. Os Aliados também fornecem amplo apoio humanitário e estão hospedando milhões de refugiados.”

Questionado sobre o tipo de suporte que a aliança dará aos ucranianos contra as ameaças químicas, Stoltenberg, disse que fornecerá equipamentos de detecção, proteção e suporte médico, além de treinamento para descontaminação e gerenciamento de crises em caso de qualquer ataque químico, biológico, radiológico ou nuclear russo.

O chefe se recusou a fornecer mais detalhes sobre o tipo ou números de equipamentos de assistência de fato enviariam para o leste, alegando “questões de segurança”. “Estamos tomando todas as medidas e decisões para garantir a segurança e a defesa de todos os Aliados em todos os domínios e com uma abordagem de 360 graus.”

Stoltenberg disse que a Aliança pretende se preparar para “uma realidade estratégica mais perigosa”, cujos detalhes devem ser definidos em abril durante uma reunião entre os chanceleres dos países membros e parceiros.