Países importadores de carne brasileira anunciam restrições

União Europeia, Coreia do Sul e China afirmaram que farão restrições temporárias aos produtos; Operação da PF apontou diversas irregularidades em frigoríficos no BR

0
2213
Operação Carne Fraca foi deflagrada nesta sexta-feira
Operação Carne Fraca foi deflagrada nesta sexta-feira

DA REDAÇÃO, COM G1 – Como consequência da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal do Brasil, que apontou fiscalização irregular de frigoríficos no Brasil, alguns países importadores anunciaram restrições temporárias à entrada de carne brasileira. Entre eles, a União Europeia, a Coreia do Sul, a China e o Chile. Estes três países juntos responderam por 27% das exportações brasileiras de carne em 2016.

O governo brasileiro trabalha para que as restrições fiquem restritas somente às 21 unidades investigadas, e não a todas exportadoras. Durante um evento em São Paulo nesta segunda-feira (20), o presidente Michel Temer afirmou que o agronegócio não pode ser desvalorizado por um “pequeno núcleo”.

O Brasil é o segundo maior produtor de carne bovina do mundo e o maior exportador. O setor vendeu para mais de 150 países no ano passado e agora se preocupa com os impactos negativos do esquema de venda de carne supostamente adulterada.

A Operação Carne Fraca foi deflagrada na última sexta-feira (17), com mais de 1 mil policiais envolvidos para cumprir 309 mandados, depois de 2 anos de investigações. No total, são 21 empresas são suspeitas de fraudes. A ação envolve grandes como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas, mas também frigoríficos menores, como Mastercarnes e Peccin, do Paraná. As empresas negam irregularidades.

  • UE: pediu que o Brasil suspenda a exportação de empresas envolvidas
  • CHINA: carnes brasileiras estão retidas nos portos
  • COREIA DO SUL: baniu frangos da BRF; empresa diz que não foi notificada
  • CHILE: suspendeu temporariamente a importação de carnes