Para a Odebrecht, lucros corruptos não eram suficientes. Também buscava incentivos fiscais

0
388
Os advogados da Odebrecht concordaram em pagar $2,6 bilhões, um acordo recorde sob a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior dos Estados Unidos
Os advogados da Odebrecht concordaram em pagar $2,6 bilhões, um acordo recorde sob a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior dos Estados Unidos

Enquanto as investigações de suborno galopavam nos Estados Unidos e em todo o mundo, a gigante da engenharia brasileira Odebrecht em 2015 registrou discretamente novas empresas no pequeno paraíso fiscal de Luxemburgo, conhecido até recentemente como um porto seguro para aqueles que buscam ou precisam de sigilo.

Menos de um ano depois, o Departamento de Justiça anunciou que a Odebrecht havia concordado com um acordo judicial arrebatador. Os executivos reconheceram ter pagado espantosos $788 milhões em subornos para ganhar negócios, por meio de uma divisão especial de Operações Estruturadas, cujos executivos a certa altura se mudaram para Miami para evitar o calor figurativo.

Os advogados da Odebrecht concordaram em pagar $2,6 bilhões, acordo recorde sob a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior dos EUA.

Em nenhuma parte do acordo de confissão de 74 páginas houve qualquer referência ao Luxemburgo. O foco estava na Suíça, o maior rival de Luxemburgo nos negócios de sigilo e operações bancárias.

Mas um novo projeto de reportagem colaborativa global chamado OpenLux, que revela um registro não público de verdadeiros proprietários de empresas em Luxemburgo, agora está preenchendo lacunas na história ainda em desenvolvimento de como a Odebrecht colheu milhões de lucros graças à corrupção na América Latina e África.

É uma história de como uma empresa reconhecidamente desonesta se escondeu à vista de todos, mudando para Luxemburgo, no papel, algumas de suas operações envolvidas com algumas das ilegalidades mais flagrantes. Alguns dos nomes dos indivíduos nas empresas de Luxemburgo também estão associados ao suborno, embora nem todos tenham sido acusados ​​criminalmente. Tudo isso atrapalhou a perseguição de promotores, ao mesmo tempo que permitiu à Odebrecht maximizar seus negócios conquistados ilegalmente por meio de uma evasão fiscal agressiva, embora legal.

A Odebrecht disputou negócios com empresas de petróleo e engenharia dos EUA, que estão proibidas de pagar subornos pela Lei de Práticas de Corrupção no Exterior.