Para eleitores dos EUA, Hillary e Trump lidariam melhor com terror

Pesquisa foi feita após ataques de Paris e questionou quem era capaz de lidar com terrorismo

0
1219

DA REDAÇÃO (com Reuters) – Eleitores americanos estão divididos entre os candidatos a presidente Donald Trump, do Partido Republicano, e sua rival do Partido Democrata, Hillary Clinton, como a melhor escolha para lidar com o tema do terrorismo depois dos ataques de Paris, mostrou uma pesquisa Reuters.

Questionados sobre a melhor opção entre todos os presidenciáveis para 2016, 20% dos 1.106 entrevistados entre 16 e 17 de novembro responderam Trump. Uma fatia igual dos entrevistados escolheu Hillary.

Devido ao fato de Hillary já ter ocupado o posto de secretária de Estado, talvez não seja surpresa ela ter ido bem na pesquisa. No entanto, a boa performance de Trump vai de encontro a uma narrativa emergente de que os ataques de Paris levariam eleitores a repensar o seu apoio ao bilionário, que lidera entre os candidatos republicanos.

Alguns especialistas e analistas políticos haviam previsto que os eleitores republicanos gravitariam agora para candidatos do establishment político, como o senador Marco Rubio e o ex-governador da Flórida Jeb Bush, que tem se saído mal nas pesquisas.

Os dois são vistos como mais fortes em política externa do que Trump e o principal rival dele, o neurocirurgião aposentado Ben Carson. Os dois não têm experiência de governo e não pertencem ao mundo político de Washington.

‘Falta de armas’
Trump culpou as leis rigorosas de armas em Paris pelos ataques, dizendo que teria sido uma “situação muito diferente” se as vítimas estivessem armadas. Ele também afirmou que fecharia algumas mesquitas para impedir ataques extremistas muçulmanos nos Estados Unidos.

Refletindo as pesquisas para as primárias, Hillary e Trump também tiveram as melhores marcas no levantamento Reuters/Ipsos quando analisados somente os eleitores dos seus respectivos partidos. Perguntados sobre o melhor candidato democrata, 52% dos democratas entrevistados escolheram Hillary. Quando republicanos foram ouvidos, 33% disseram Trump.

Depois de Trump, os eleitores republicanos viram Rubio, integrante do Comitê de Relações Exteriores do Senado e conhecido pelas suas opiniões conservadoras, como o candidato mais forte (17%) para lidar com terrorismo. Carson e Bush empataram com cerca de 9%.

Dos republicanos entrevistados, 36% afirmaram ter agora mais confiança na capacidade de Trump para ser presidente. Somente 10% se disseram menos confiantes na capacidade dele depois dos ataques.

Carson e Rubio também foram vistos mais favoravelmente como potenciais presidentes pelos republicanos. Bush, contudo, não teve um impacto imediato na confiança sobre a sua capacidade para ser presidente.

Dos republicanos ouvidos, 16% disseram ter agora menos confiança em Carly Fiorina, ex-presidente da Hewlett-Packard, 22% disseram o mesmo sobre o governador de Ohio, John Kasich, e 19% se disseram menos confiantes no senador Rand Paul.

A pesquisa tem um intervalo de credibilidade de 3,4 pontos percentuais quando considerados todos os entrevistados. Quando se olha apenas para democratas e republicanos, o intervalo é cerca de 5,4 pontos percentuais.