Paramédico do ano é preso por roubo de vacinas covid-19 na Flórida

Vacinas desviadas deveriam ser destinadas à imunização dos agentes do corpo de bombeiros do condado de Polk, na Flórida Central

0
939
Joshua Colon, à direita, que foi preso na segunda-feira, sendo nomeado o paramédico do ano e por um grupo de organizações civis do condado de Polk. (foto: Polk County Fire Rescue)
Joshua Colon, à direita, preso na segunda-feira, sendo nomeado o paramédico do ano por um grupo de organizações civis (foto: Polk County Fire Rescue)

Organizações civis de Polk county, na Flórida Central, nomearam Joshua Colon, de 31 anos, “paramédico do ano 2020” pelos seus serviços prestados à corporação de bombeiros do condado.

Nesta segunda-feira (25) ele foi preso sob acusação de ser parte de esquema de roubo de vacinas contra a covid-19 da fabricante Moderna, que deveriam ser destinadas aos bombeiros do condado.

Em uma entrevista coletiva, o xerife que investiga o caso, Grady Judd, falou que as autoridades notaram uma “confusão” em três formulários diferentes de vacinação preenchidos por Colon.  

“Os destinatários das vacinas eram ex- bombeiros que não pertenciam mais à corporação”, disse o xerife.

A polícia ligu para os homens indicados pelo paramédico para receber os imunizantes e, segundo Judd, eles disseram não saber sobre o possível recebimento das doses.

Pressionado pelos policiais, Colon assumiu que forjou a papelada a pedido do seu supervisor, o capitão de resgate do corpo de bombeiros, Anthony Damiano.

O paramédico contou que o supervisor tinha interesse em manter para si três seringas abastecidas. Uma delas seria para a mãe de Damiano.

“Colon criou a circunstância para as vacinas terem sido desviadas. Se ele simplesmente tivesse falado com seu chefe naquele momento, teria sido o herói, mas em vez disso começou a falsificar a papelada “, disse Judd na entrevista coletiva.

David Carmichael, advogado de Colon, disse que seu cliente enfrentou uma “situação muito difícil” depois que seu supervisor supostamente exigiu que ele desviasse as vacinas.

“O Sr. Colon lamenta profundamente sua fraqueza em não alertar as autoridades policiais sobre o roubo da vacina, aceita a responsabilidade por seu erro em encobrir o roubo e, em um esforço para proteger a reputação de sua instituição, renunciou ao cargo “, disse o advogado em comunicado.

O paramédico do ano 2020 foi preso e enfrenta 16 acusações criminais que incluem falsificação, falsificação de registros médicos, má conduta oficial e criação de uma identificação pessoal fictícia.

O supervisor, Anthony Damiano, está foragido.