Pelo menos 50 pessoas morrem em ataque a estação de trem na Ucrânia

Crianças estão entre os mortos; presidente ucraniano acusa a Rússia, que nega autoria de ataques

0
721
Ataque a uma estação de trem deixa dezenas de mortos em Kramatorsk, no leste da Ucrânia — Foto: Pavlo Kyrylenko/Twitter

O número de mortos no ataque de dois mísseis a uma estação de trem em Kramatorsk, na Ucrânia, subiu para 50 na tarde desta sexta-feira (8). Cinco dos mortos eram crianças.

Segundo a companhia que administra a malha ferroviária da Ucrânia, dois mísseis atingiram a estação de trem de manhã. De acordo com o governador da região, Pavlo Kyrylenko, 4 mil pessoas estavam na estação no momento do ataque. Elas se enfileiravam para tentar entrar em trens e deixar a região.

“Nós tivemos um grande número de vítimas como resultado de um ataque dos russos com mísseis à estação de trem de Kramatorsk. Até o momento, 98 pessoas foram levadas para hospitais da região e a expectativa é que o número de vítimas aumente”, disse Kyrylenko.

O governador afirmou ainda que a Rússia utilizou bombas de fragmentação, munição proibida em 2008 por uma convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) que espalha várias mini-bombas na região atingida, espalhando as explosões para vários lados em alta velocidade. A Rússia, no entanto, não é signatária do tratado da ONU que proíbe a bomba.

Já líderes separatistas da região de Donetsk alegaram que os mísseis foram “uma provocação da Ucrânia”, o que Kiev nega.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, culpou a Rússia pelo ataque a “milhares de ucranianos pacíficos esperando para serem retirados da área”. Kiev afirmou ainda que os bombardeios a civis foram intencionais.

“Os russos não-humanos não abandonam seus métodos. Sem força e nem coragem de fazer frente a nossas tropas no campo de batalha, eles estão cinicamente destruindo a população civil. Isso é diabólico e não tem limites. E, se não for punida, a Rússia nunca vai parar”, declarou.

Desde o início da semana, a Ucrânia e a Otan afirmam que Moscou prepara uma nova onda de bombardeios no leste e no sul do país.