Primeiro ‘Dreamer’ deportado processa o governo Trump

Jovem beneficiado pelo DACA alega ter sido deportado sumariamente, sem direito de defesa; Homeland Security nega

0
7961
Juan Manuel Montes-Bojorquez, 23, estava sob a proteção do DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals)
Juan Manuel Montes-Bojorquez, 23, estava sob a proteção do DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals)

DA REDAÇÃO – A história do mexicano Juan Manuel Montes, de 23 anos, ganhou as páginas dos jornais americanos na última semana. Montes seria o primeiro beneficiado pelo DACA – Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA) – a ser deportado no governo Trump. O programa criado pela administração Obama garante autorização de trabalho e protege da deportação, filhos de imigrantes que estejam ilegais nos Estados Unidos. Trump garantiu que os ‘Dreamers’ não eram prioritários para deportação.

Montes se tornou bandeira para a causa imigrante e seus advogados anunciaram que vão processar o governo.

O National Immigration Law Center entrou com processo, na terça-feira (18), em San Diego California, para obter registros sobre o caso de Juan Manuel Montes, que foi detido pela Patrulha de Fronteira, em fevereiro, na cidade de Calexico (CA) e deportado horas depois.

O grupo de ativistas diz que o jovem de 23 anos de idade tinha permissão para trabalhar e viver nos Estados Unidos, sob o programa que foi introduzido em 2012 para proteger as pessoas de serem deportadas. Mais de 750 mil imigrantes, conhecidas como “Dreamers”, receberam status de proteção através do Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA).

Em sua campanha presidencial, Donald Trump indicou que deportaria qualquer um que estivesse ilegal país. Mas ele suavizou o tom pouco depois de assumir o cargo, dizendo os que ‘Dreamers’ “não deveriam se preocupar”.

Montes está nos EUA desde os nove anos de idade e era protegido pelo DACA até 2018.

“Juan Manuel foi deportado na fronteira sem ter um pedaço de papel para explicar o porquê e como ele estava sendo expulso do país”, disse Nora Preciado, advogada do National Immigration Law Center. “O governo não deveria ameaçar esses jovens dessa maneira, muito menos aqueles que tenham o DACA. O processo é para descobrir o que de fato aconteceu”, completou.

O jovem afirmou que foi forçado a sair dos EUA e não teve chance de se explicar. Ele estava voltando da casa da namorada onde esqueceu a carteira com os documentos. “Fiquei nervoso e não sabia o que dizer, só falei que minha mãe morava aqui. Eu sinto falta do meu trabalho, da escola, mas acima de tudo, sinto falta da minha família”.

De acordo com reportagem do USA Today, o jovem foi parado em Calexico pela Border Patrol que pediu um documento de identificação. Como ele não tinha, ele foi levado para um posto da Border Patrol que solicitou algumas assinaturas e o deportou em poucas horas. Segundo a mesma reportagem, o jovem pulou a cerca para reentrar nos EUA e foi pego pelos policiais.

O que diz a Border Patrol

Em comunicado ao NBC News, o Customs and Border Patrol – CBP – disse que “Juan Manuel Montes foi apreendido por agentes de Calexico depois de entrar ilegalmente nos EUA pela cerca da fronteira”. Eles também disseram que o DACA do jovem estava expirado, apesar de os advogados terem provado que o documento é válido até 2018.  O CBP informou, ainda, que o jovem tem registro de furto em sua ficha policial.

Os Democratas estão cobrando respostas sobre o caso de Montes. “No mês passado, o secretário John Kelly prometeu que ninguém beneficiado pelo DACA seria deportado, a menos que violasse os termos do programa. Queremos que ele cumpra o prometido”, disse o senador Democrata Dick Durbin.