Prisões de indocumentados sem passagem pela polícia triplicam no governo Trump

ONG pró-imigrantes de Chicago entrou com processo na Justiça questionando ações arbitrárias do ICE

0
2714
Agente do ICE
Agente do ICE

Uma reportagem especial da NBC veiculada nesta segunda-feira (13) mostra que as prisões de imigrantes indocumentados sem passagem pela polícia triplicaram sob a administração de Donald Trump.

De acordo com um processo na justiça ajuizado por uma organização pró-imigrantes de Chicago, o aumento se deve às ações arbitrárias do U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE), que prende imigrantes no trânsito, em audiências na justiça e em locais de trabalho.

As prisões de imigrantes sem qualquer ficha policial aumentaram 203% nesses 14 meses com o republicano no poder, comparado com o mesmo período do governo anterior. De acordo com a NBC, o número de prisões passou de 19.128 para 58.010. No período analisado, o número de imigrantes presos com ficha policial aumentou apenas 18%.

Os últimos números disponíveis (até 31 de março deste ano) mostram que o ICE prendeu 16% mais imigrantes sem antecedentes quando comparado a fevereiro e agosto de 2017.

Um dos autores da ação na Justiça, o advogado Mark Fleming, afirma que as circunstâncias das prisões de imigrantes na era Trump são completamente novas.

“A grande diferença é que nesta administração, as pessoas são paradas no trânsito ou até mesmo a pé, sem qualquer mandado de prisão. Isso para mim é uma mensagem à comunidade latina que tem sido o maior alvo”.

O processo judicial é contra o ICE e o departamento de Homeland Security em nome de mais de 100 imigrantes detidos pelo ICE sem qualquer mandado judicial ou sem representar qualquer risco à comunidade em Chicago e região.

Os advogados afirmam que a maior parte das prisões tem acontecido nas ‘cidades-santuário’, que protegem imigrantes indocumentados.

Obama x Trump

Sob a administração de Obama, o ICE tinha como alvo criminosos, membros de gangues e pessoas que poderiam ameaçar a segurança nacional. Mesmo assim, o recorde de deportações ainda pertence ao ex-presidente.