Quase 70% da vida selvagem do planeta desapareceu nos últimos 48 anos, diz estudo

Gorilas, botos cor-de-rosa e leões-marinhos: Entre 1970 e 2018 o planeta perdeu abundância relativa de populações de animais selvagem em todo o mundo

0
403
Utilização dos solos é a maior ameaça atual para a vida selvagem (foto: Paul Robinson-WWF)
Utilização dos solos é a maior ameaça atual para a vida selvagem (foto: Paul Robinson-WWF)

As populações de animais selvagens no planeta encolheram 69% nos últimos 48 anos. Essa é a constatação de um relatório elaborado pela organização WWF (World Wildlife Fund) em parceria com a Zoological Society of London. Juntos, pesquisadores das duas instituições analisaram  dados sobre a evolução de 31.821 grupos de animais de 5.230 espécies.

Os números alarmantes indicam um declínio de 94% na América Latina e no Caribe, 66% na África, 20% na América do Norte, e 18% na Europa e Ásia Central.

Marco Lambertini, diretor-geral da WWF, explicou que a quase extinção de milhares de espécies na América Latina e Caribe pode ser explicada porque as regiões tropicais contêm muito mais biodiversidade.  Ele também afirmou que Europa e Ásia Central, que tiveram queda de apenas 18%, “estão perdendo sua vida selvagem há muito mais tempo”.

“Esta é a última chance que teremos. Até o final desta década saberemos se a luta pelas pessoas e pela natureza terá sido vencida ou perdida. Os sinais não são bons “, alertou Lambertini.

O relatório intitulado Living Planet Report menciona a utilização dos solos como a maior ameaça atual para as espécies porque destrói e a fragmenta os habitats naturais em terra, água doce, e no mar. As espécies de água doce, aliás, são as que tiveram maior redução: 83% desde 1970. Os botos amazônicos do Brasil, ou botos-cor-de-rosa, diminuíram 65% entre 1994 e 2016.

Entre as milhares de outras espécies apontada, estão os gorilas da planície oriental que vivem  na África e na Oceania; 80% desapareceu entre 1994 e 2019, e os leões-marinhos australianos; com queda de 64%, entre 1977 e 2019.

As mudanças climáticas também são fator de ameaça aos animais selvagens. “Se não conseguirmos controlar o aquecimento para que ele não passe de 1,5°C, as mudanças climáticas provavelmente se tornarão a causa principal da perda de biodiversidade nas próximas décadas”, diz o relatório. O estudo completo pode ser acessado aqui.