Relógio em Nova York mostra tempo restante para ação contra mudança climática

0
2064
Climate Clock em exposição no Union Square, em NY (Foto: Sandra Colicino)
Climate Clock em exposição no Union Square, em NY (Foto: Sandra Colicino)

Durante a semana de conscientização das mudanças climáticas do meio ambiente, a climate week (20-27 de setembro), uma dupla de artistas instalou o climate clock, ou relógio do clima, a fim de chamar a atenção para o curto período de tempo que o mundo tem para agir a fim de reverter o processo de mudança climática. O relógio esteve erguido entre 19 e 27 de setembro.

Metronome é o monumento localizado em Union Square, no borough de Manhattan, em Nova York. Comumente chamado de “os números do Union Square,” o projeto foi desenvolvido pelos artistas Andrew Ginzel e Kirstin Jones, em 1999. Este projeto mostra o horário de forma única, com um display que mostra a hora do dia, seguida dos minutos, segundos e frações de segundos. Ao lado do relógio digital está o relógio de pêndulo, em sintonia com o digital.

Para a semana do meio ambiente, os artista Andrew Boyd e Gan Golan utilizaram o conceito da instalação, de mostrar a hora exata, para demonstrar exatamente o tempo que o planeta tem para agir contra os efeitos das mudanças climáticas. O relógio mostrou o lapso em tempo real: anos, meses, dias, horas e segundos. O relógio está sincronizado com o do projeto do Mercator Research Institute on Global Commons and Climate Change, em Berlim, onde o climate clock esteve em 2019. Paris será a próxima cidade a receber o relógio, em 2021.

Além da hora precisa do fim do prazo para ação contra a mudança climática, o relógio ainda mostrava mensagens tais como, “A Terra Tem um Prazo” e “Façamos Este a Nossa Linha do Tempo.”

Para mais informações sobre o climate clock, deve-se acessar o site: https://climateclock.world.

Metropolitan Opera anuncia retorno de performances somente em setembro de 2021

Metropolitan Opera de NY (Foto: Sandra Colicino)
Metropolitan Opera de NY (Foto: Sandra Colicino)

A maior instituição cultural dos Estados Unidos, a Metropolitan Opera de Nova York anunciou o cancelamento da temporada de 2020/21, com retorno já previsto para setembro de 2021.

Em comunicado de imprensa divulgado em seu website em 23 de setembro, a casa de óperas anunciou a decisão, justificando estar seguindo instruções das autoridades de saúde em resposta ao novo corona virus.

“Lamentamos informar que a Metropolitan Opera tomou a difícil decisão de cancelar a temporada de 2020/21, baseada no conselho de profissionais de saúde de Met e Lincoln Center,” lê-se no comunicado. “Não queremos nada mais do que criar a mágica da ópera que somente a Met pode criar, mas a segurança da companhia e da audiência vem primeiro.”

A Metropolitan Opera está fechada desde março e dispensou cerca de 1000 funcionários, entre músicos, cantores, e técnicos de palco, desde o começo da pandemia.

Para noite de abertura em 27 de setembro de 2021, o casa programou a estréia de “Fire Shut Up in My Bones”, conduzida por Yannick Nézet-Séguin. É a primeira vez que a casa apresenta a obra de um compositor negro. O anúncio desta e mais cinco óperas para a temporada tem o objetivo de arrecadar fundos com a venda e troca de ingressos.

A notícia da suspensão da temporada da Metropolitan Opera estabelece um novo padrão para casas de espetáculos em Nova York. Em junho, a Broadway League, que reune uma serie de teatros ligados aos famosos espetáculos da Broadway, anunciou o cancelamento de apresentações até a primavera de 2021.

Enquanto a Metropolitan Opera estiver fechada, audiências podem acessar o website da instituição para transmissão diária de óperas ocorridas no passado. Essas transmissões iniciaram em março, quando do início da quarentena, e estarão disponível durante todo o fechamento da casa.

Ao vivo de NY… SNL retornará em 3 de outubro

O famoso programa de comédia Saturday Night Live retornará ao vivo do estudio 8H, localizado a 30 Rockfeller Center, em Midtown Manhattan.

Em março, a produção da 45ª temporada teve que ser interrompida devido ao lockdown gerado pela crise do COVID-19. Com resultado, os membros do elenco tiveram que encerrar a temporada com sketches pré-gravadas via Zoom e transmitidas no horário que normalmente iria ao ao. O show, que toda semana apresenta um ator convidado em uma atração musical ao vivo, teve poucos convidados durante o período que transmitiu remotamente. Entre os destaques estão Tom Hanks, que se havia se recuperado do COVID e Brad Pitt, atuando como o Dr. Anthony Fauci, diretor do National Institute of Allergy and Infections Disease (NIAID).

Para o retorno do show ao vivo em 3 de outubro, o elenco terá como convidados o comediante Chris Rock, que fez parte do elenco do programa no passado. A convidada musical para este sábado será Megan Thee Stallion.

O programa que conta com a audiência ao vivo, deverá seguir as diretrizes do COVID estabelecidas pelas autoridades de saúde no que diz respeito a produções de mídia. Esta categoria foi liberada em Nova York na fase 4, a partir de 20 de julho. De acordo com as diretrizes, audiência no estúdio estará limitada a 25% da capacidade e deverá ser composta primariamente por funcionários. O elenco também deverá usar máscaras até o momento em que estiveram atuando em suas respectivas sketches. Já os técnicos de palco e outros funcionários devem usar máscaras por todo o tempo em que estiveram no prédio. Todos terão suas temperaturas tomadas ao entrarem no local.

O SNL é transmitido ao vivo aos sábados às 11:30 pm (horário de NY) pela NBC.

O que acontece em outubro em NY

58º New York Film Festival (NYFF) – Entre as atrações mais esperadas pelos cinéfilos da cidade, este festival dará continuidade a sua programação, mesmo que com consideráveis modificações. Normalmente apresentado no Lincoln Center, este ano uma grande parte dos filmes será transmitida por online streams, disponíveis por tempo limitado para cada filme. O festival também contara com 3 drive-ins, um no The Bronx, um no Brooklyn e um no Queens. Entre os destaques do festival estão: O novo filme de Spike Lee, inspirado no musical da Broadway criado pelo músico David Byrne, “American Utopia”. “All In: The Fight for Democracy”, documentário sobre a busca de Stacey Abrams, que concorreu ao cargo de governadora do estado da Georgia em 2018, contra supressão de votos no país, e “The Human Voice”, novo filme de Pedro Almodóvar.  O evento ocorrerá entre 17 setembro e 11 de outubro.  

The New Yorker Festival – O evento que reune personalidades de cultura, política, ativismo, culinária e entretenimento retorna este ano, adaptando-se à nova realidade. Assim como o NYFF, o festival contará com transmissões remotas e drive-ins. Assinantes da revista New Yorker terão descontos para os eventos. Este ano os destaques serão a conversa com a representante do Distrito 14 de NY Alexandria Ocasio-Cortez e a senadora de Massachussets Elizabeth Warren, no dia 5 de outubro e o evento “Dining In With the New Yorker Festival, que oferece um jantar curado pelos chefs do The Bronx Pierre Thiam e J.J. Johnson, com direita ao acesso ao stream com os chefs discutindo esta colaboração. Este evento ocorrerá de 5 de outubro a 11 de outubro

New York Comic Con – Este ano o evento de 4 dias ocorrerá completamente online. Os destaques do festival são: aparições dos novos programas “Utopia” (Amazon), e “The Stand” (CBS), baseado em livro de Stephen King. O festival ainda conta com reencontros dos programas “Lost” e “Smallville”. Datas: 8 a 11 de Outubro.

O que não acontece em outubro em NY

Este ano a Village Halloween Parade seria o 47º desfile. No entanto, a comissão organizadora do desfilo anunciou em 9 de setembro o cancelamento do evento, por ser uma atividade de alto risco diante da crise do coronavírus.  

Este ano o tema do desfilo seria Big Love! Big Embrace! (Grande Amor! Grande Abraço!), que representa inclusão de todos os habitantes da cidade. A comissão não tem nenhum evento virtual programado para substituir o desfile. 

“Ao considerar fazer ‘algo’ online este ano para substituir o evento, percebemos que a idéia ia contra tudo que o desfile significa: a interação AO VIVO das pessoas,” declarou Jeanne Fleming, diretora artística e de produção do evento. 

Apesar do cancelamento, a Aranha Gigante, que normalmente conduz o desfile, estará presente. Desenvolvida pelo artista Basil Twist, ela aparecerá, como de costume, na torre da biblioteca Jefferson Market, localizada na 6ª Avenida. A aranha estará acima do nível da rua, a fim de manter o distanciamento social.