Renomado MoMA, de NY, adquire 28 fotos brasileiras para acervo

Museu tem foco em arte contemporânea e é um dos mais importantes do mundo; MoMA tinha até então somente 70 fotografias de brasileiros em seu acervo

0
4645

DA REDAÇÃO (com UOL) – Quem visitar New York em 2017 e fizer um dos programas culturais mais essenciais para quem vai à cidade terá a oportunidade de prestigiar obras de artistas brasileiros em um dos acervos mais seletos do planeta.

Isso porque o Museum of Modern Art (MoMA; localizado na região de Midtown, em Manhattan) acaba de adquirir fotografias de autoria de artistas brasileiros. São, ao todo, 28 imagens, que elevam para 98 as obras de fotógrafos brasileiros que fazem parte do acervo da instituição, informa o portal UOL. O anuncio da aquisição feita pelo museu foi divulgado na quinta-feira (2).

Num lance considerado “ousado”, a curadora de fotografia do museu, Sarah Meister, escolheu trabalhos de Paulo Pires, José Yalenti, Ademar Manarini, Eduardo Salvatore, Marcel Giró (que era catalão) e Gertrude Autschul.

Imagem produzida em 1960 pelo brasileiro Ademar Manarini e que agora faz parte do acervo do museu nova-iorquino
Imagem produzida em 1960 pelo brasileiro Ademar Manarini e que agora faz parte do acervo do museu nova-iorquino

A fotografia brasileira do período se aproxima da arte moderna. Mostram São Paulo em um momento de acelerada industrialização, com ousadas composições geométricas com formas urbanas e um novo senso dramático. A aquisição é significativa: o MoMA tinha até então apenas 70 fotografias de brasileiros em seu acervo, entre elas obras de Thomaz Farkas, Geraldo de Barros, Sebastião Salgado, Valdir Cruz e Nair Benedicto.

A curadora brasileira Isabel Amado, que representa seis famílias desse grupo de fotógrafos, encontrou-se com Sarah Meister no ano passado durante exposições, e ela pediu para conhecer o acervo de Isabel. Sarah então levou os trabalhos para a apreciação do conselho do MoMA, que aprovou a compra em maio. Pelo contrato, o valor não pode ser revelado.

Sarah Meister já examinava os trabalhos desse grupo desde 2013, quando viu a mostra de Marcel Giró na galeria Bergamin, no Rio; e a exposição Paulo, José e Ademar, na SP Arte daquele ano. A norte-americana demonstrou encantamento com o fato de que a fotografia brasileira desse segmento demonstrasse uma relação tão próxima com a americana. Ela acredita que esses trabalhos podem mesmo ajudar a redefinir a historiografia da fotografia do período – essa tese estará na mostra “Photography at MoMA: 1920 to 1960”, que incorporará os trabalhos recém-adquiridos dos brasileiros, no ano que vem.