Brasil: Resultados das eleições municipais refletem enfraquecimento de Bolsonaro

Segundo levantamento, 9 em cada 13 candidatos que usaram o nome do presidente perderam as disputas municipais. Veja como ficaram oS resultados nas 27 capitais do Brasil

0
639
Eleições municipais para prefeitos e vereadores aconteceu neste domingo (15) em todo o país (foto: wikimedia)
Eleições municipais para prefeitos e vereadores aconteceu neste domingo (15) em todo o país (foto: wikimedia)

A maior parte dos candidatos apoiados publicamente por Bolsonaro nas principais cidades do Brasil saiu derrotada nas eleições municipais que aconteceram neste domingo (15), em todo o país.

Bolsonaro apoiou diretamente candidatos a prefeito em seis capitais e quatro deles perderam já no primeiro turno: São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Manaus. As esperanças do presidente, agora, estão em Fortaleza e no Rio de Janeiro, onde os bolsonaristas ainda irão disputar o segundo turno.

Após o fim das eleições ainda neste domingo (15), o presidente apagou de suas redes sociais um vídeo postado no sábado em que pedia votos a aliados. No fim da noite, ele próprio fez um post se justificando pelos resultados ruins. 

“Há 4 anos Geraldo Alkmin elegeu João Dória prefeito de São Paulo no primeiro turno. Dois anos depois Alckmin obteve apenas 4,7% dos votos na disputa presidencial. Minha ajuda a alguns poucos candidatos a prefeito resumiram-se a 4 lives num total de 3 horas” escreveu Bolsonaro no facebook.

Segundo um levantamento feito pela BBC Brasil, 9 de cada 13 candidatos tanto a prefeitos como a vereadores que usaram o nome de Bolsonaro perderam as disputas municipais.

Veja como ficou o resultado das eleições nas 27 capitais do Brasil:

São Paulo:

Bruno Covas (PSDB): 32,85% (Segundo turno)

Guilherme Boulos (PSOL): 20,2% (Segundo turno)

Rio de Janeiro

Eduardo Paes (DEM): 37% (Segundo turno)

Marcelo Crivella (Republicanos): 21% (Segundo turno)

Belo Horizonte:

Alexandre Kalil (PSD): 63% (Reeleito)

Bruno Engler (PRTB): 9%

Vitória

Delegado Pazolini (Republicanos): 30% (Segundo turno)

João Coser (PT): 21% (Segundo turno)

Recife

João Campos (PSB): 29% (Segundo turno)

Marília Arraes (PT): 27% (Segundo turno)

Aracaju

Edvaldo (PDT): 45% (Segundo turno)

Delegada Danielle (Cidadania): 21% (Segundo turno)

Natal

Álvaro Dias (PSDB): 57% (Reeleito)

Senador Jean: 14%

Fortaleza

José Sarto (PDT): 35% (Segundo turno)

Capitão Wagner (PROS): 33% (Segundo turno)

Salvador

Bruno Reis (DEM): 64% (Eleito)

Major Denice (PT): 18%

João Pessoa

Cícero Lucena (PP): 20% (Segundo turno)

Nilvan (MDB): 16% (Segundo turno)

São Luís

Eduardo Braide (Podemos): 37% (Segundo turno)

Duarte Junior (Republicanos): 22% (Segundo turno)

Teresina

Dr. Pessoa (MDB): 34% (Segundo turno)

Kleber Montezuma (PSDB): 26% (Segundo turno)

Curitiba

Rafael Greca (DEM): 59% (Reeleito)

Goura (PDT): 13%.

Florianópolis

Gean Loureiro (DEM): 53% (Reeleito)

Professor Elson (PSOL): 18%

Porto Alegre

Sebastião Melo (MDB): 31% (Segundo turno)

Manuela D’Ávila (PCdoB): 29% (Segundo turno)

Belém

Edmilson (PSOL): 34% (Segundo turno)

Delegado Federal Eguchi (Patriotas): 23% (Segundo turno)

Rio Branco

Tião Bocalom (PP): 49% (Segundo turno)

Socorro Neri (PSB): 22% (Segundo turno)

Manaus

Amazonino Mendes (Podemos): 23% (Segundo turno)

David Almeida (Avante): 22% (Segundo turno)

Palmas

Cinthia Ribeiro (PSDB): 36% (Eleita)

Professor Júnior Geo (Pros): 14%

Porto Velho

Hildon Chaves (PSDB): 34% (Segundo turno)

Cristiane Lopes (PP): 14% (Segundo turno)

Boa Vista:

Arthur Henrique (MDB): 49% (Segundo turno)

Ottaci (Solidariedade): 10% (Segundo turno)

Campo Grande

Marquinhos Trad (PSD): 52% (Eleito)

Promotor Harfouche (Avante): 11%

Cuiabá

Abílio (Podemos): 33% (Segundo turno)

Emanuel Pinheiro (MDB): 30% (Segundo turno)

Goiânia

Maguito Vilela (MDB): 36% (Segundo turno)

Vanderlan Cardoso (PSD): 24% (Segundo turno)

Maceió

Alfredo Gaspar de Mendonça (MDB): 29% (Segundo turno)

João Henrique Caldas (PSB): 28% (Segundo turno)

Macapá

As eleições na capital do Amapá foram adiadas por causa do apagão de energia elétrica.