Rock in Rio visita a matriz

0
5108
Em 1985, o Rock in Rio I reuniu mais de 500 mil pessoas em dez dias de rock'n'roll

Em maio de 2015, a terra mater dos festivais de rock, US of A, vai conhecer um festival à brasileira. Ele chega a Las Vegas, a capital fake da América, depois de 14 edições no Rio de Janeiro, Lisboa e Madri. E logo quando faz 30 anos, o que também merecerá uma edição de sete noites na sua cidade sede, o Rio de Janeiro, em setembro.
Aqui no Brasil, com cinco edições entre 1985 e 2013, o festival tem como seu maior trunfo a primeira edição, que colocou o Brasil na rota das grandes atrações internacionais e serviu de lição profissionalizante para a Geração 80 do Rock Brasil e para o nosso showbusiness em geral, até então em condições quase amadorísticas.

Na parte internacional, tínhamos poucas atrações de fora antes do festival por conta da desorganização empresarial e de uma fama de calote em alguns artistas que ousaram vir antes. O criador do festival, Roberto Medina, cortou um dobrado para mostrar aí fora que se tratava do esforço sério de um empresário competente à frente de uma empresa bem sucedida, a Artplan, e conseguiu romper a barreira. Ele trouxe de uma vez, ao longo
de 10 dias, um dream team do rock e do pop que mesclou com atrações nacionais e fez história. Foi uma maratona que colocou a nocaute os jornalistas que faziam a cobertura, 10 dias direto na Cidade do Rock, em Jacarepaguá, em maratonas de quatro da tarde às três ou quatro da manhã. Lá pelo sexto dia eu não andava mais, me arrastava.
Na segunda edição, em janeiro de 1991 no estádio do Maracanã, nove dias com apenas 24 horas de intervalo, e lá foi a imprensa pra UTI de novo. Só em 2001 houve a divisão em dois finais de semana para alívio das redações.

Rock in Rio aqui no Brasil é sempre cercado de polêmicas porque mistura atrações de rock e pop. As hostes do rock sempre espumam de raiva pela presença de artistas populares como Ivete Sangalo, Sandy e Junior, Elba  Ramalho e Daniela Mercury. O argumento é que o festival tem Rock no nome e estes artistas não são rock nem aqui nem em Saturno. Na primeira edição o bicho pegou brabo. Muitos artistas de renome foram vaiados e agredidos com o que estivesse à mão pelos metaleiros. O “erro” foi acreditar na multiplicidade. Moraes Moreira foi colocado na mesma noite de Ozzy Osbourne, Erasmo Carlos junto com Iron Maiden e Whitesnake, Eduardo Dusek e Kid Abelha e os Abóboras Selvagens com AC DC e Scorpions. A partir daí, o festival passou a ter noites específicas para cada estilo de música.

A edição americana está dividida entre um final de semana rock e outro pop, assim também se atende a todos os públicos. Os revoltados daqui do Brasil não levam em conta que não seria  economicamente viável sete dias de rock – haja grana para comprar os ingressos. Esses radicais acham que estão cheios de razão, sem levar em conta que outros públicos também merecem desfrutar da festa que é um festival.

Pelo que vi da programação até agora, a edição Las Vegas só tem de presença brasileira a Rock Street Brazil, com ambientação de Copacabana e outros locais e algumas atrações como o competente trio Bossa  Cuca Nova que faz versões dance da Música Popular Brasileira. Uma diferença entre as edições brasileiras já realizadas é que aí terá três Rock Streets: Brasil, Inglaterra/Irlanda e USA. Na edição de 2011, a última que fui (em 2013 estava fora do Rio), um excesso de lotação transformou a Rock Street num lugar intransitável, eram 100 mil pessoas numa área que não comportava tanta gente.

Ainda não é possível avaliar o line up da edição Las Vegas porque há nove vagas abertas no palco principal e 13 no palco Sunset. Resta ver qual será a presença de artistas brasileiros. Metallica é bem popular aqui no Brasil, foi headliner em 2011 e 2013, o Linkin Park já nos visitou três vezes, mas não no festival. No Doubt, Joss Stone, Deftones e John Legend também já passaram por aqui.

Não sei como anda o buchicho do festival aí. É um grande desafio levar um festival de rock a um país que tem uma tradição desses eventos que remonta aos anos 60. Mais um desafio para Roberto e sua filha Roberta Medina a linha de frente da marca Rock in Rio.

 

Jamari França

Jam Sessions www.radiocultfm.com

twitter @jamarifranca

facebook jamari.franca