Ryan Tannehill pode voltar a jogar em Miami

0
2231
Ex-quarterback do Miami Dolphins, Ryan Tannehill deseja levar sua equipe ao título da AFC Conference (Foto: Tennesse Titans/Donald Page)
Ex-quarterback do Miami Dolphins, Ryan Tannehill deseja levar sua equipe ao título da AFC Conference (Foto: Tennesse Titans/Donald Page)

Ryan Tannehill chegou ao Miami Dolphins cheio de expectativas, tanto por parte dele como por parte do time do sul da Flórida que ainda sonha com o protagonismo dentro da NFL, algo que ficou no passado desde a época de Dan Marino, entre 1983 e 1999. Neste milênio, os fãs do Miami Dolphins têm pouco a comemorar.

Houve um sopro de esperança quando a franquia selecionou Ryan Tannehill para recuperar sua autoestima perdida. Entretanto, depois de sete anos em South Beach, os desejos da organização, dos torcedores e do próprio Tannehill se dissiparam. Ele foi dispensado e trocado para o Tennessee Titans por algumas escolhas de draft. Foi decepcionante para Tannehill, castigado por várias lesões durante seu período na Flórida.

Todavia, ele soube fazer do limão uma limonada. Um ano depois, Tannehill deu a volta por cima com o Titans, liderando a NFL durante a temporada regular em média de passes (117.5). Tennessee Titans estão na final da AFC Conference pela primeira vez desde o tempo da dupla Steve McNair-Eddie George em 2002 e 2003. O jogo será transmitido no domingo (19) a partir das 3:05 p.m. pela CBS.

Se o Titans vencer, ele pode jogar o Super Bowl LIV, marcado para o dia 2 de fevereiro no Hard Rock Stadium, em Miami Gardens, Flórida – o mesmo lugar que foi sua casa por sete anos. Mas, ele teve de se superar mais uma vez. Chegou como reserva de Marcus Mariota, quarterback titular desde 2015, quando foi a segunda escolha do draft. E teve humildade para se ajustar ao novo papel, sabendo esperar pela oportunidade.

Promover Tannehill pode ter sido a melhor decisão da temporada do técnico Mike Vrabel, que comentou: “Em 14 de outubro, estávamos 2-4. Eu era um treinador ruim e éramos um time ruim. Acreditamos em nós mesmos, tentamos melhorar, nos preparar, confiar um no outro, executar. Isto tudo é o que nos trouxe até aqui.”

Desde que Tannehill ganhou a posição na sétima semana, o Titans coloca-se em terceiro em pontos por jogo (30.4), jardas por jogo (406.2) e eficiência ofensiva (72.6). Desde a nona semana, o Titans marcou 39 touchdowns e um field goal.

Embora a estrela do Tennessee Titans seja o running back Derrick Henry, Tannehill tem mostrado serviço. Os números confirmam: Tannehill é o terceiro quarterback desde 1991 a terminar a temporada regular com uma porcentagem acima de 70% tanto ao completar as jogadas em todas partes do campo e também na red zone. Além dele, apenas Drew Brees em 2018 e Steve Young em 1994 obtiveram números iguais.

Apesar da empolgação, o Tennessee Titans terá uma missão difícil neste domingo. Afinal, a equipe precisará derrotar o Kansas City Chiefs, do quarterback Patrick Mahomes, na casa do adversário. Ele tem sido uma das sensações da NFL, inclusive tendo barrado o consagrado Alex Smith. Para quem aprecia qualidade de quarterbacks, o duelo entre Patrick Mahomes e Ryan Tannehill é uma das atrações na final da AFC Conference, em Kansas City. Vale lembrar que os dois times não têm muitas conquistas da NFL. O Kansas City Chiefs venceu o Super Bowl na temporada 1969/1970 e foi vice-campeão no primeiro Super Bowl perdendo na final para o Green Bay Packers na temporada 1966/1967. Já o Tennessee Titans está em busca de sua primeira final.

Richard Sherman quer ser ainda mais amado

Cornerback Richard Sherman está ao lado do técnico Kyle Shanahan. Foto: San Francisco 49ers (Divulgação)
Cornerback Richard Sherman está ao lado do técnico Kyle Shanahan. Foto: San Francisco 49ers (Divulgação)

Figura de destaque na única conquista de Super Bowl da história do Seattle Seahawks, parecia que a carreira de Richard Sherman havia chegado ao fim, após ter rompido o tendão de Aquiles em 2017. Entretanto, aos 31 anos, ele tem se mostrado um importante jogador na campanha do San Francisco 49ers. Este cornerback foi indicado ao Pro Bowl pela quinta vez e como integrante do segundo time do All-Pro. Em dezembro, Sherman recebeu um presente de Natal antecipado quando Pro Football Focus (PFF), uma fonte de avaliação dos jogadores da NFL, o nomeou como o melhor cornerback da década.

No sábado passado na vitória sobre o Minnesota Vikings, ele fez uma importante intercepção sobre Adam Thielen do Minnesota. Sherman não é o que se pode chamar de um jogador modesto. Após a vitória da Divisional da NFC Conference, declarou à imprensa: “Desde que estou na liga, em todos itens que importa para um corner, sou o Nº 1: porcentagem de complemento, intercepções, evitar touchdowns, jardas … percentual de passes. Se houvesse outro corner, nem mesmo estaríamos tendo esta conversa. Mas, já estou cansado disto. Nos playoffs, joguei até agora 13 partidas, zero touchdowns permitidos, três intercepções. Portanto, mostre-me alguém quer está fazendo algo igual. Aí, adoraria discutir. Porém, simplesmente não há ninguém.”

Sherman faz sua lição de casa sobre Richard Sherman: Antes da final da conferência, ele recolocou no tweet as estatísticas mostrando ter evitado mais do que duas vezes touchdowns dos adversários em sua carreira (37) do que permitido touchdowns (17). E esta supremacia ocorreu em seis de nove temporadas em sua carreira.

Porém, medir defesa na NFL é difícil. Isto é especialmente verdadeiro quando se trata de cobertura de passe: Quando está bem, o quarterback normalmente joga a bola para qualquer outro lugar. Todavia, uma nova métrica divulgada no site FiveThirtyEight semana passada promete identificar os melhores jogadores em cobertura além das frias estatísticas, separando homem da cobertura por zona e usando dados da Next Gen da NFL.

Aqui é onde se pode ver os dois Shermans. Primeiro, há os dados antigos, que medem quando o defensor, Sherman, está mais próximo do receiver no momento em que a bola chega. Esta temporada, quarterbacks têm mirado em receivers mais próximos de Sherman 51 vezes, e Sherman permitiu apenas 27 capturas para alcançar 227 jardas e um touchdown. Isto significa 4.45 jardas por alvo e um percentual de passe oposto de 46.8. 

São estatísticas respeitáveis. O percentual de passes da liga esta temporada foi 90.4, assim quarterbacks tiveram metade da eficiência quando jogaram a bola onde Sherman estava marcando o wide receiver do que no geral. E os quarterbacks conseguiram 8.2 jardas por tentativa de passe para um wide receiver em 2019 em comparação à média de 4.45 obtida quando jogaram a bola na direção onde estava Sherman. São estatísticas como essas que ajudaram a tornar Sherman a se tornar o cornerback Nº 1 em cobertura nesta temporada.

Porém, não se pode esquecer que do outro lado estará Aaron Rodgers, um dos principais quarterbacks da atualidade. Sua frieza e precisão são impressionantes e ele consegue achar um companheiro em espaços quase inexpugnáveis e consagra vários wide receivers. 

Será lindo assistir o duelo entre San Francisco 49ers e Green Bay Packers, no Levi’s Stadium, sobretudo a categoria de Rodgers e a habilidade Sherman. Quem quiser ver este excelente jogo na final da NFC Conference e não puder ir à Califórnia, pode sintonizar a Fox Sports às 6:05 p.m. no domingo (19).

Corinthians estreia com vitória em Orlando

Ele nunca escondeu ser corintiano desde criancinha. Embora paulista, seu futebol desabrochou no Grêmio de Porto Alegre. Em 2017, foi considerado o melhor jogador em atividade no Brasil. Entretanto, problemas extra-campo e físicos levaram Luan do estrelismo ao quase anonimato. Cansado de esperar pela recuperação, o Tricolor gaúcho aceitou a oferta do Corinthians e negociou o meia.

Sua estreia com a nova camisa não poderia ter sido melhor. Marcando dois gols, Luan foi o responsável pela vitória do Corinthians sobre o New York City, em Orlando, na quarta-feira (15), pela estreia do Timão na Florida Cup no Exploria Stadium. Com os tentos, em sua primeira partida, o camisa 7 já ultrapassou o número de gols de Sornoza na temporada passada.

Muito do problema ofensivo do Alvinegro em 2019 passou pela armação de jogadas. Jadson ficou longe de apresentar seu melhor futebol, Pedrinho não foi constante, Vital e Clayson também não conseguiram ter uma boa sequência. Restou a Sornoza, equatoriano contratado junto ao Fluminense em janeiro do ano passado, dar fluidez ao setor de criação.

O antigo camisa 7 chegou com moral, depois da boa temporada com Flu, especialmente pelas jogadas de bola parada. Contudo, seu desempenho dentro de campo não agradou e o aproveitamento não foi nada bom. Em 46 jogos, o meia-atacante balançou a rede apenas uma vez, no jogo de volta da segunda fase da Copa Sul-Americana, contra o Deportivo Lara, da Venezuela.

Em sua primeira partida no Timão, Luan já conseguiu bater este número em apenas trinta minutos. O ex-gremista marcou um belo gol de fora da área, de falta, com 11 minutos em campo, diante do New York. Para melhorar, o estreante anotou mais um tento, este de fora da área, aos 30, e garantiu o primeiro triunfo alvinegro na temporada. O New York City diminuiu no segundo tempo com o gol contra de Camacho. 

A vitória colocou o Timão na liderança da Florida Cup com três pontos ganhos, seguido por Palmeiras, dois pontos; Atletico Nacional, um ponto, e New York City, zero ponto.

Palmeiras vence nos pênaltis

Após um empate sem gols no tempo regulamentar, o Palmeiras assegurou seu triunfo sobre o Atlético Nacional nos pênaltis, nesta quarta-feira, no Orlando City Stadium, pela Copa Flórida. Estreando oficialmente na temporada de 2020, a equipe comandada pelo técnico Vanderlei Luxemburgo acabou levando a melhor na marca da cal, vencendo os colombianos por 10 a 9.

O jogo foi bem disputado, com as duas equipes construindo jogadas que poderiam resultar em gols. Porém, as boas intervenções dos goleiros somadas à falta de mira dos atacantes e ao bom desempenho dos sistemas defensivos impediu a abertura do placar no tempo normal.

O time Alviverde entrou com o chamado time principal, porém, Luxa trocou todos jogadores no intervalo, dando oportunidade aos meninos que subiram da base mostrar seu futebol. E eles não decepcionaram, sobretudo Gabriel Menino, que se revelou um médio volante ágil, bom no desarme e com chegada efetiva ao ataque.

Com mais chances do que o adversário e um pênalti a favor não assinalado pelo árbitro, o Verdão pôde testar a calibragem de seus batedores, e se deu bem. O Palmeiras bateu o time colombiano por 10 a 9. Victor Luis, Luan, Alanzinho, Gabriel Menino, Willian, Emerson Santos, Wesley, Ramires, Mayke e Gabriel Veron converteram para o Verdão. Velazquez, na nona cobrança do Atlético Nacional, acabou parando no goleiro Jailson.

O próximo compromisso do Palmeiras na Florida Cup está marcado para o sábado, quando o time entrará em campo contra o New York City, às 4h p.m. O Atlético Nacional, por sua vez, enfrenta o Corinthians, no mesmo dia, às 7:30 p.m. No intervalo entre as duas partidas, haverá um show com Ivete Sangalo.