Senadores Democratas e Republicanos propõem aprovação de $908 bi em ajuda contra a covid-19

Montante inclui benefícios de desemprego semanais de $ 300 retroativos a partir de 1º de dezembro por 18 semanas

0
701
Cerca de 2.2 milhões de crianças receberão o benefício, segundo o Center for Law and Social Policy (Foto: Flickr)
Cerca de 2.2 milhões de crianças receberão o benefício, segundo o Center for Law and Social Policy (Foto: Flickr)

Um grupo de senadores e deputados dos partidos Republicano e Democrata divulgou nesta terça-feira (1º) um projeto de lei que liberaria recursos da ordem de $ 908 bilhões em auxílio emergencial contra a covid-19.

O projeto ainda não recebeu apoio da Casa Branca, nem foi levado ao conhecimento do presidente eleito Joe Biden, mas o grupo afirma que irá batalhar apoio suficiente para passar a medida em diante.

Se o projeto bipartidário ganhar força nos próximos dias, ele pode ser anexado ao orçamento ou avançar por um caminho separado.

A ajuda prevê benefícios federais de desemprego, mas omite outra rodada de pagamentos diretos de $ 1,2 mil para os contribuintes.

“Nossa ação busca fornecer ajuda emergencial agora mais do que nunca”, disse Joe Manchin, um senador Democrata da Virginia que integra o grupo que aprovou o pacote.

O jornal The Washington Post teve acesso ao projeto dos parlamentares e reportou que a proposta inclui:

  • Benefícios de desemprego semanais federais de $ 300 retroativos a partir de 1º de dezembro por 18 semanas.
  • $ 240 bilhões em assistência para pequenas empresas.
  • $ 160 bilhões em financiamento dos governos estadual e local.
  • $ 51 bilhões em novos fundos relacionados à saúde e vacinas.
  • Proteção de responsabilidade de seis meses para empresas de ações judiciais relacionadas ao coronavírus.

Há meses o presidente Donald Trump e o Congresso vêm travando uma batalha sobre novas medidas econômicas de respostas à pandemia. No início de outubro, a Câmara dos EUA, controlada pelos Democratas, aprovou um novo projeto de lei de $2,2 trilhões oferecendo $1,2 mil para a maioria dos contribuintes mais $500 por dependente. Mas a proposta esbarrou no Senado.