Supremo do Brasil pede extradição de blogueiro que está nos EUA

Allan dos Santos é acusado de fazer parte de uma organização criminosa com o objetivo de disseminar notícias falsas

0
1372
Allan dos Santos - REUTERS/Adriano Machado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, pediu a extradição e ordenou a prisão preventiva do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, como parte do inquérito da Polícia Federal (PF) do Brasil que investiga o estabelecimento de organizações criminosas, chamadas de “milícias digitais”, criadas com o intuito de disseminar notícas falsas (fake news) pela Internet.

A ordem de Alexandre cita “a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhantes àqueles identificados no Inquérito 4.781, com a nítida finalidade de atentar contra a Democracia e o Estado de Direito”.

Segundo o site brasileiro G1, Santos encontra-se nos Estados Unidos, onde, de acordo com a investigação da PF, teria inclusive se juntado a pessoas envolvidas na violenta invasão do Capitólio por apoiadores do ex-presidente Trump, em janeiro, numa tentativa de reverter o resultado da votação que elegeu o presidente Biden.

Segundo o ministro brasileiro, a prisão preventiva foi decretada porque o blogueiro “continua a incorrer nas mesmas condutas investigadas, ou seja, permanece a divulgar conteúdo criminoso, por meio de redes sociais, com objetivo de atacar integrantes de instituições públicas, desacreditar o processo eleitoral brasileiro, reforçar o discurso de polarização; gerar animosidade dentro da própria sociedade brasileira, promovendo o descrédito dos poderes da república, além de outros crimes, e com a finalidade principal de arrecadar valores”.

A ordem do ministro Moraes determina que a PF inclua o mandado de prisão na Lista Vermelha de pessoas procuradas da Interpol, a fim de que o blogueiro seja capturado nos EUA e mandado de volta para o Brasil. A embaixada do Brasil em Washington também foi acionada para ajudar na localização de Santos.