Transição da presidência dos EUA para Joe Biden começa oficialmente

A administração Trump enviou uma carta ao presidente-eleito autorizando o início da transferência oficial entre governos. Joe Biden já revelou alguns nomes que deverão ocupar cargos estratégicos no seu mandato

0
792
Presidente eleito deve se pronunciar após a confirmação da vitóriaa (foto: flickr)
Presidente eleito deve se pronunciar após a confirmação da vitóriaa (foto: flickr)

O processo de transferência da presidência dos EUA de Donald Trump para Joe Biden começou oficialmente nesta terça-feira (24). Biden recebeu um documento do General Services Administration (GSA), informando que o processo formal de transição pode começar. Na prática, isso significa que Biden passará a ter acesso a recursos e informações para assumir o governo em janeiro de 2021.

Pelo twitter, Trump disse que espera que “se faça o que precisa ser feito,” mas que ele continuará “contestando na Justiça o resultado da eleição realizada no início do mês”.

O diretor da equipe de transição de Biden, Yohannes Abraham, declarou em comunicado que “a decisão é um passo necessário para começar a encarar os desafios do país, incluindo manter a pandemia sob controle e trazer nossa economia de volta aos trilhos”.

Nesta segunda-feira, o Democrata anunciou alguns nomes que deverão ocupar cargos estratégicos no seu governo. Ele privilegiou a diversidade racial e incluiu duas mulheres e um imigrante no time.

Antony Blinken será o secretário de Estado, responsável pelas relações diplomáticas do país. John Kerry irá coordenar as políticas de mudanças climáticas; Alejandro Mayorkas será o primeiro latino a ocupar a vaga de secretário do Department of Homeland and Security (DHS).

Michele Flournoy, uma veterana do Pentágono, foi a indicada para o cargo de secretária de Defesa, sendo a primeira mulher neste cargo.

Jake Sullivan, um conselheiro de longa data de Biden e Hillary Clinton, foi para o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca e Avril Haines, será a diretora dos serviços de inteligência nacional.   

Linda Thomas-Greenfield foi escolhida como futura embaixadora dos EUA nas Nações Unidas.

Agora, os funcionários doo GSA irão atuar em conjunto com a nova equipe de Biden, fornecendo milhões em fundos governamentais para a transição e repassando informações sobre o andamento de políticas e programas federais.