Trump chama de ‘golpe’ tentativa de impeachment

Em entrevista coletiva após encontro com presidente da Finlândia, Trump acusa a imprensa de produzir ‘fake news’

0
740
Trump em entrevista nos jardins da Casa Branca na terça-feira (30) (Foto Reprodução Globo News)
Trump em entrevista nos jardins da Casa Branca (Foto Reprodução Globo News)

DA REDAÇÃO – O presidente Donald Trump chamou de “golpe” o inquérito de impeachment aberto na semana passada na Câmara dos Deputados. Em mensagem publicada no Twitter, o presidente acusou adversários de tentarem “tomar o poder do povo”.

“Como tenho visto cada dia mais, estou chegando à conclusão de que o que está sendo colocado não é um impeachment, é um golpe”, escreveu, no Twitter. “Pretendido para tomar o poder do povo, seus votos, suas liberdades, a Segunda Emenda, religião, Forças Armadas, muro na fronteira, e os direitos dados por Deus aos cidadãos dos Estados Unidos da América”, completa a mensagem.

Em seguida, Trump divulgou um vídeo em que chama o processo de impeachment de “caça às bruxas” para “desfazer uma eleição”.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, abriu há uma semana um inquérito para o impeachment de Trump pela suposta tentativa de pedido de interferência da Ucrânia nas eleições de 2020. A oposição considera que o republicano pressionou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, a investigar Joe Biden – ex-vice-presidente dos EUA e adversário político de Trump – e seu filho, Hunter Biden.

O Partido Democrata, de oposição ao presidente, tem maioria na Câmara dos Deputados. Estimativas da imprensa apontam que os votos favoráveis ao impeachment já superariam os 218 necessários para levar o processo ao Senado. Entretanto, para Trump deixar o cargo, dois terços dos senadores teriam de aprovar a cassação – e, diferentemente da Câmara, o Partido Republicano detém maioria no Senado.

Ataques à imprensa

Donald Trump concedeu na quarta-feira 2 e atacou a imprensa. Ao lado do presidente da Finlândia, Sauli Niinistö, o líder americano foi questionado diversas vezes sobre seu telefonema com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que deu início a um processo de impeachment. Irritado com as perguntas, Trump atacou a imprensa e entrou em conflito direto com um jornalista.

Respondendo aos jornalistas, ele classificou como “escória” o deputado democrata Adam Schiff, um dos principais nomes do processo de impeachment. Também se envolveu em uma discussão com o repórter Jeff Mason, da agência de notícias Reuters, que lhe questionou sobre o que ele gostaria que Zelensky fizesse com o democrata e pré-candidato à Presidência Joe Biden.

“O que você fez, ou queria que o presidente Zelensky fizesse em relação a Joe e [seu filho] Hunter Biden? ”, perguntou Mason, após outras indagações sobre o tema. Trump fica alguns segundos em silêncio e depois questiona: “Você está falando comigo?”.

O repórter da Reuters então insiste na pergunta e o presidente americano se irrita. “O presidente da Finlândia está aqui, faça uma pergunta para ele”, diz Trump. “Não seja indelicado.” “Eu já respondi tudo, é uma grande farsa”, disse ainda. “E sabe quem está criando essa farsa? Pessoas como você e a imprensa de notícias falsas”, completou, apontando para Mason.