Trump diz pelo Twitter que EUA continuam a apoiar a entrada do Brasil na OECD

Embaixada americana em Brasília também divulga nota, avisando que o País apoia "a expansão da OECD a um ritmo controlado"

0
1245
Bolsonaro vai visitar Trump na Casa Branca
Presidentes assinaram em março o compromisso pela entrada do Brasil na OECD

O presidente Trump escreveu uma nota no Twitter sobre a notícia do fim do apoio dos EUA à entrada do Brasil na OECD, publicada nesta quinta-feira pela Bloomberg e reproduzida em várias mídias no Brasil e no mundo.

Trump escreveu que “A declaração conjunta ao lado do presidente Bolsonaro, em março, deixa absolutamente claro que eu apoio o começo do processo de total admissão do Brasil na OECD. Os Estados Unidos reforçam essa declaração e apoiam @jairbolsonaro. Este artigo é FALSO”

Trump negou pelo Twitter que EUA deixariam de apoiar a entrada do Brasil na OECD

Mais cedo, a embaixada americana em Brasília já havia divulgado uma nota, também pelo Twitter: “A declaração conjunta de 19 de março do presidente Trump e do presidente Bolsonaro afirmou claramente o apoio ao Brasil para iniciar o processo para se tornar um membro pleno OECD. Continuamos mantendo essa declaração.”

A notícia de que o Brasil estaria de fora da indicação para a OECD foi pelo fato de que o país nao constava da lista de recomendação enviada para a organização pelo Departamento de Estado americano. Na carta, o Departamento incluiu apenas Argentina e Romênia na lista de recomedação. Segundo a embaixada americana em Brasília, “[os EUA] apoiam a expansão da OECD a um ritmo controlado, que leve em conta a necessidade de pressionar as reformas de governança e planejamento de sucessão.”

A inclusão do Brasil na organização foi uma promessa do presidente Trump feita a Bolsonaro em março, quando o presidente brasileiro esteve em Washington.

A OECD (Organization for Economic Co-operation and Development) é uma instituição multinacional, fundada em 1961, que visa estimular o comércio internacional. A OECD é um clube fechado, composta de apenas 36 países considerados mais desenvolvidos, com alta renda per capita e indicadores sociais (HDI) elevados.