Atirador da escola no Texas sofria bullying e avisou sobre massacre nas redes sociais

Salvador Ramos era gago e adotava o estilo emo; dois dias antes da chacina, ele comprou legalmente dois fuzis AR15, quase 400 cartuchos de munição e colete a prova de balas

0
2760
Salvador Ramos foi morto pela polícia (foto: Instagram)
Salvador Ramos foi morto pela polícia (foto: Instagram)

Salvador Ramos, o atirador que matou 21 pessoas, sendo 19 crianças e dois adultos na Robb Elementary School, em Uvalde, no Texas, sofria bullying na escola por ser gago e adotar o estilo emo. O jovem de 18 anos vestia roupas pretas, pintava as unhas, usava delineador nos olhos e falava pouco. Por isso, era frequentemente ridicularizado e se envolveu em várias brigas a ponto de afastá-lo das salas de aula.

Ramos foi morto pela polícia momentos depois de abrir fogo na escola nesta terça-feira-feira (24). Antes disso, ele teria atirado na própria avó, que está hospitalizada. Ruben Flores, um vizinho do rapaz,  afirmou ao jornal The Washington Post que ele teve uma vida ‘bastante difícil financeiramente’, e que sua mãe tentou ser também uma figura paterna, antes de entrega-lo aos cuidados da avó.

Um ex-colega de classe falou que ele e Ramos passavam horas jogando vídeo-game e que o assassino era fã do jogo Call of Duty.

A crescente agressividade fez crescer nele o desejo de adquirir armas de fogo. Ano passado, ele publicou em uma rede social imagens de fuzis automáticos, dizendo que estavam em sua lista de desejos. Apenas dois dias antes de cometer a chacina, no domingo (22), ele comprou legalmente dois fuzis AR15, quase 400 cartuchos de munição, além do colete a prova de balas. Na sequencia, postou novamente informando que havia adquirido para cometer o massacre na escola.

Apesar disso, não possuía antecedentes criminais e, de acordo com as autoridades, agiu sozinho. Salvador alvejou alunos do 2º, 3º ou 4º ano, todos com idade entre 7 e 10, e duas professoras.

 O tiroteio da Robb Elementary School é mais um entre os mais de 200 que ocorreram nos EUA desde o início do ano, segundo o instituto Gun Violence Archive, e a segunda chacina mais letal em uma escola norte-americana na história.