Brasileirão perde Grêmio e Bahia na Série A

0
305
Bahia e Gremio são rebaixados para a Série B (Foto: Paramount Plus)
Bahia e Gremio são rebaixados para a Série B (Foto: Paramount Plus)

Dois gigantes do futebol brasileiro jogarão a Série B no próximo ano: Grêmio e Bahia. O Tricolor gaúcho passou o campeonato inteiro na zona de rebaixamento e acabou melhorando apenas nos jogos finais, tanto que venceu o Atlético-MG por 4 a 3 (2 gols de Diego Souza, de Campaz e de Douglas Costa e de Dodô, Vargas e Hyoran para o Galo), mas não foi suficiente para escapar do rebaixamento. Pior ainda foi o Bahia que abriu o placar no Castelão com um gol de pênalti de Rodriguinho, mas sofreu a virada com gols de Wellington Paulista e Yago Pikachu. O Juventude, outro ameaçado, conseguiu vencer o Corinthians por 1 a 0 (gol de Chico) no Alfredo Jaconi e se manteve na principal divisão do futebol brasileiro.

O nível do futebol brasileiro ainda está aquém daquele praticado na Europa. Aliás, bem aquém. O nível da arbitragem, então, é de chorar. A introdução do VAR (um instrumento para dirimir dúvidas) foi desastrosa porque os operadores mais confundem do que ajudam os árbitros. Assim, pênaltis são marcados sem critério lógico, gols legais são anulados por causa do posicionamento de uma câmera, e cartões são aplicados a granel, prejudicando o espetáculo. Claro que os jogadores com a costumeira cera contribuem para a partida se tornar arrastada e mostrar poucos lances de emoção.

Particularmente, sou a favor da introdução do tempo cronometrado no futebol, como se faz no basquete. O jogador lesionou? A bola foi para a lateral? A torcida jogou objetos no gramado? Seja lá qual for o motivo, o cronômetro para e somente é reiniciado com a bola em movimento. É bem verdade que os árbitros controlam o tempo em seus cronômetros, mas quase nunca o tempo perdido é recuperado em sua totalidade.

Os favoritos em 2022

A torcida do Flamengo nunca deixou de incentivar sua equipe em 2021 (Foto: Paula Dias/Flamengo)
A torcida do Flamengo nunca deixou de incentivar sua equipe em 2021 (Foto: Paula Dias/Flamengo)

Mas, deixando de lado essas observações, vamos nos concentrar naquilo que ocorreu nos campos e nos bastidores do futebol brasileiro. 

Em primeiro lugar, o título de campeão brasileiro conquistado pelo Atlético-MG foi merecidíssimo. O Alvinegro de Belo Horizonte, que agonizava com um rosário de dívidas, viu seu panorama mudar com a chegada dos 4 R’s: Rubens Menin e seu filho Rafael (da MRV Construtora), Ricardo Guimarães (do Banco BMG) e Renato Salvador (da Rede Hospitalar Mater Dei). 

Esse grupo de torcedores super ricos está bancando a ascensão do Galo, recolocando-o entre os principais protagonistas do futebol brasileiro. E os resultados estão vindo rapidamente. Tanto que, além do título do Brasileirão, o clube da capital mineira disputará as finais da Copa do Brasil com o Athletico-PR, além de ter sido semifinalista da Copa Libertadores da América. E os investidores garantem que os investimentos devem aumentar a partir de 2022, o que colocou um sorriso no rosto de milhões de atleticanos.

Por falar em Libertadores da América, é preciso enaltecer a façanha do Palmeiras. O clube, fundado em 1914, e até 2020 tinha conquistado apenas um título de campeão continental, em 1999, tendo Luís Felipe Scolari como seu comandante. Aliás, ele e Vanderlei Luxemburgo eram até pouco tempo os maiores vitoriosos com o clube Alviverde da capital paulista. No entanto, apesar de ser o maior participante da Libertadores e ter chegado a quatro finais, tinha apenas aquele título e três vice-campeonatos, além de várias presenças em semifinais.

Precisou o português Abel Ferreira, vindo da Grécia, para mudar esse cenário. Com ele à frente do elenco, o Verdão conquistou o bicampeonato consecutivo da principal competição continental, em janeiro (o título se referia a 2020, por causa da pandemia) e em novembro. Isto diante do rival Santos e do favorito Flamengo.

Agora, sob comando de Leila Pereira, a toda poderosa do grupo Crefisa/FAM, os palmeirenses acreditam que não faltará investimento para tornar o time ainda mais forte e com destaque no Brasil e na América do Sul. Ela já prometeu abrir o cofre para contratar os reforços sugeridos por Abel Ferreira, que descansa em Portugal suas merecidas férias, pois em janeiro começarão os preparativos para a disputa do Campeonato Mundial de Clubes, que será disputado em fevereiro nos Emirados Árabes.

O terceiro elo a ser destacado é o Flamengo, que figura entre os maiores detentores de títulos dos últimos tempos. Recentemente, o clube carioca conquistou o bicampeonato brasileiro e foi o último campeão da Libertadores antes da dobradinha palmeirense.

Esse ano, o clube terminou como vice-campeão da Libertadores ao ser derrotado por 2 a 1 pelo Palmeiras no Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai, e foi o segundo colocado, atrás apenas do Atlético-MG, do Brasileirão. Como conquistas, pode-se computar mais um Campeonato Carioca e uma Supercopa em uma decisão histórica com o Palmeiras- o campeão foi definido após as cobranças de penalidades máximas.

Quem obteve vagas na Copa Libertadores da América

Além dos três principais clubes do Brasil na atualidade – Atlético-MG (campeão brasileiro), Palmeiras (campeão da Libertadores) e Flamengo (vice nas duas competições) -, outros clubes também têm motivos para celebrar: Corinthians (4º colocado), Fortaleza (5º colocado) e Red Bull Bragantino (6º colocado) entram direto na Fase de Grupos da Copa Libertadores da América 2022, além do Athletico-PR (campeão da Copa Sul-Americana). Já Fluminense (7º colocado) e América-MG (8º colocado) disputarão a Pré-Libertadores – torneio classificatório para definir as últimas vagas para a Fase de Grupos da Copa Libertadores da América.

Clubes classificados para a Copa Sul-Americana e quem caiu para a Série B e

O Bahia, capeão brasileiro em 1959 e 1988, deixou o estado da Bahia sem representantes na Série A (Foto: futebolbahiano.org)
O Bahia, campeão brasileiro em 1959 e 1988, deixou o estado da Bahia sem representantes na Série A (Foto: futebolbahiano.org)

Para a Copa Sul-Americana, estão classificados Atlético-GO, Ceará, Santos, Internacional, São Paulo e Cuiabá – classificados entre a 9ª e a 15ª colocação.

Os rebaixados são Sport Club do Recife, penúltimo colocado com 37 pontos, e a Chapecoense, lanterna da competição, com apenas 15 pontos – a pior campanha de uma equipe na Série A na época dos pontos corridos.

Novos integrantes da Série A em 2022

Para substituir esses rebaixados, sobem para a Série A Botafogo (campeão da Série B), Goiás (vice-campeão), Coritiba (3º colocado) e Avaí (4º colocado).