Brasileiro líder de esquema que fraudava aplicativos nos EUA pode ficar 20 anos preso

Flávio Cândido da Silva declarou-se culpado pelo roubo de identidade e fraude em abertura de contas em aplicativos de transporte e entrega

0
592
Identidades roubadas para abertura das contas nos apps Uber, Doordash e Lyft eram compradas na dark web (foto: Flickr)
Identidades roubadas para abertura das contas nos apps Uber, Doordash e Lyft eram compradas na dark web (foto: Flickr)

O brasileiro Flávio Cândido da Silva, 36, morador de Malden, em Massachusetts, declarou-se culpado na terça-feira (21), em uma corte federal de Boston, pelo crime de fraude na abertura de contas em aplicativos de entregas e viagem como Uber, Lyft e Doordash. O julgamento será no dia 22 de abril do ano que vem. Se condenado, ele poderá pegar mais de 20 anos de prisão e multa de $250 mil, segundo informações do U.S Department of Justice. Na confissão, o suspeito admitiu ter comprado as identidades roubadas na dark web, espécie de endereço oculto na internet.

Flávio era o cabeça de uma quadrilha de 19 pessoas, a maioria brasileiros, dos quais 16 estão presos e três são procurados. Entre junho de 2019 e dezembro de 2020, o líder do esquema recebeu aproximadamente $200 mil com os golpes aplicados em cerca de duas mil pessoas. “Esses indivíduos arrastaram milhares de pessoas inocentes neste golpe, roubando suas identidades e colocando ao volante pessoas que não poderiam conseguir empregos nessas empresas “, disse Joseph R. Bonavolonta, agente especial do FBI em Boston.

Os documentos roubados eram usados para abrir contas funcionais nos aplicativos em nomes das vítimas, em seguida, essas contas eram alugadas ou vendidas para pessoas que não tinham licença para dirigir nos EUA. O grupo também utilizava uma rede de bots que explorava sistemas de bônus das companhias para que motoristas ganhassem valores maiores nas corridas. Entre as acusações que eles respondem estão conspiração contra o sistema financeiro dos EUA, fraude eletrônica e roubo de identidade. Se você é uma vítima deste tipo de crime, denuncie às autoridades federais clicando  aqui.