Casal é deportado depois de viver 28 anos em New Jersey

Apesar dos apelos de entidades pró-imigrantes, advogados, familiares e amigos, casal embarcou no último dia 8 para o México

0
10646
Oscar Campos se despede da filha no aerporto (Foto: NBC)
Oscar Campos se despede da filha no aerporto (Foto: NBC)

Um casal de New Jersey que vivia há quase três décadas nos Estados Unidos foi deportado na sexta-feira (8) para o México, deixando para trás três filhos e uma história de vida. Em uma despedida emocionada, Oscar e Humberta Campos se despediram dos filhos com idades de 24, 22 e 16 anos, antes de embarcarem para o País natal.

“Não existe distância, meus filhos estarão sempre no meu coração”, disse Oscar Campos. Os dois embarcaram às 6:30 da manhã no aeroporto de Newark com destino à Cidade do México.

De acordo com o canal NBC, Campos veio para os EUA em 1989 fugindo da violência em Tamaulipas e cruzou a fronteira com o Texas. O casal tinha uma empresa de jardinagem e os filhos mais velhos já estão na faculdade.

Na quinta-feira (7), a Corte de Imigração negou o último recurso solicitado pelos advogados da família Campos.

O Senador Democrata Cory Booker, de New Jersey, tentou de todas as formas manter o casal nos EUA e declarou estar “extremamente desapontado” com o desfecho da história.

“O escritório do Senador Booker trabalhou durante vários meses com a família Campos e as autoridades federais nesse caso. Nós estamos extremamente desapontados quer o ICE tenha negado o pedido para a suspensão da remoção e tristes por ver outra família desnecessariamente despedaçada”, disse Thomas Pietrykoski, porta-voz de Booker.

“As políticas migratórias propostas pela administração Trump contrastam com alguns dos valores republicanos mais fundamentais e insensivelmente foca nos moradores de New Jersey que contribuem tanto para tornar o estado e a nação fortes”, acrescentou Pietrykosky. “O caso do Sr. e Sra. Campos reforça a necessidade urgente de nos unirmos e buscarmos soluções justas para o nosso sistema migratório ultrapassado que sejam consistentes com o cerne dos nossos princípios americanos”.