Champions League: a magia do futebol

0
1714

O esporte é a quintessência das realizações de poucos eleitos que são projetados pelos sonhos e desejos de milhões de pessoas que enxergam nestes talentosos esportistas momentos fugazes de frustrações e deleites.

Isso ocorre em todo tipo de modalidade esportiva, porém, no futebol parece que a projeção do sonho e da decepção alcança seu grau máximo. Não é à toa que os jogadores de futebol de primeira linha ganham muito bem. Eles representam nos campos aquilo que os torcedores gostariam de ser.

Esse preâmbulo serve para enaltecer as duas semifinais da Champions League (neste caso, o nome em inglês se justifica perfeitamente, uma vez que a final do mais importante torneio interclubes do planeta reunirá na final dois clubes ingleses: Liverpool e Tottenham). Ironicamente, o super campeão Real Madrid está fora da disputa bem no momento que a capital espanhola sediará a grande final, marcada para o dia 1º de junho.

A maneira como os dois clubes chegaram à final foi épica. Na terça-feira (7), o Liverpool de Jurgen Klopp recebeu o Barcelona de Ernesto Valverde com a ingrata missão de reverter o placar adverso de 3 a 0, obtido pela equipe blaugrana com um show de Lionel Messi. Para piorar a situação, os Reds estavam desfalcados de dois de seus principais titulares, Firmino e Salah, que formam o temível tridente de ataque do Liverpool junto com Mané.

Klopp escolheu Origi para compor o ataque e ele demonstrou estar atento, ao colher o rebote de Ter Stegen e ao inaugurar o placar no Anfield Stadium. A fim de mudar o destino da semifinal, o treinador voltou na segunda etapa com Wijnaldum. E realmente o destino mudou. Em dez minutos, o meiocampista holandês marcou dois gols e empatou a série em 3 a 3. Porém, o melhor estava por vir. Em um escanteio cobrado espertamente por Alexander-Arnold, Origi surgiu sozinho na pequena área e fez o quarto gol. Assim, com 4 a 0, o Liverpool eliminou o todo poderoso Barcelona com Messi, Suarez e outros craques. O enredo repetiu as quartas de final do ano passado quando o Barça perdeu a classificação para a Roma.

Lucas in the sky

O Ajax surgiu para o mundo do futebol na década de 70. Com a geração de craques comandada por Johann Cruyff, venceu uma das edições da Champions League e serviu de base para a Laranja Mecânica, dirigida pelo lendário Rinus Mitchell, apelido dado à Seleção Haolandesa de Futebol que se tornou duas vezes vice-campeã mundial.

A equipe alvirrubra do Ajax ressurgiu agora em 2019 e chegou às semifinais da competição eliminando pesos pesados como Real Madrid e Juventus. Ao enfrentar o Tottenham em Londres, surpreendeu o time do Spurs ao vencer por 1 a 0.

Na quarta-feira (8), a equipe londrina, dirigida por Mauricio Pocchetino, saiu a campo disposta a reverter o resultado. Não contava, porém, com a determinação do time holandês que abriu o placar com o jovem zagueiro De Ligts e ampliou com Ziyech. Tudo indicava a confirmação do Ajax na final europeia.

Havia, no entanto, um brasileiro decidido a mudar este enredo: Lucas Moura, substituto do lesionado Harry Kane, simplemente o melhor jogador do Tottenham. E assim foi. Ele marcou o primeiro gol do time inglês e depois aproveitou uma confusão da zaga holandesa para empatar o jogo. No estertores da peleja, porém, Dele Ali ajeitou para Lucas Moura bater de esquerda longe do alcance do goleiro Onana. A vitória de 3 a 2 empataria a série em 3 a 3, mas, por ter marcado mais gols na casa do adversário, o Tottenham se classificou para a grande final da Champions League. E teve em Lucas Moura, autor de um hat trick, seu herói improvável.

Agora, todos esperam para ver qual cidade inglesa festejará o vencedor: Londres ou Liverpool. Os fãs do (bom) futebol agradecem e esperam ser brindados com mais um jogão. God Save the Queen (and the Players)!

Libertadores com cores verde amarela

Está longe o tempo em que os clubes argentinos e uruguaios dominavam a Copa Libertadores da América. Nas últimas décadas, as equipes brasileiras têm vencido e decidido títulos com seus rivais sul-americanos.

Nessa edição 2019, o poderio brasileiro se fez presente. Dos seis classificados, todos passaram para as oitavas de final: Palmeiras, Cruzeiro, Internacional, Flamengo, Grêmio e Athletico Paranaense. Apenas os dois que disputaram a Pré-Libertadores decepcionaram. O São Paulo sequer entrou na Fase de Grupos enquanto o Atlético Mineiro venceu apenas o fraquíssimo Zamora da Venezuela para garantir a terceira colocação do Grupo E. Em consequência disto, se qualificou para disputar a próxima fase da Copa Sul-Americana juntamente com os demais terceiros colocados das outras chaves.

Dos seis brasileiros classificados, quatro foram campeões em suas chaves: Internacional no Grupo A, com 14 pontos; Cruzeiro no Grupo B, com 15 pontos; Flamengo no Grupo D, com 10 pontos, e Palmeiras no Grupo F, com 15 pontos. Grêmio ficou em segundo no H, com 10 pontos, atrás do Libertad, que somou 12 pontos, e Athletico Paranaense disputou a liderança com Boca Juniors em Buenos Aires na quinta-feira (9), mas infelizmente o jornal foi fechado antes da realização desta partida.

A confirmar a supremacia verde-amarela, Palmeiras ficou com a melhor campanha seguido pelo Cruzeiro, ambos com 15 pontos ganhos. O Verdão ficou em primeiro lugar por ter marcado 13 gols e sofrido apenas 1 gol, enquanto a Raposa anotou 11 tentos e sofreu 2. Logo atrás ficou o Inter, com 14 pontos.

Após a realização da última rodada desta Fase de Grupos, será efetuado um sorteio, marcado para segunda-feira (13), a fim de definir os próximos confrontos. As oitavas de final da competição começam apenas no segundo semestre, após a disputa da Copa América, programada para começar em 14 e junho e terminar em 7 de julho com a grande final prevista para o Maracanã.

Assim, o sorteio será realizado com oito equipes no Pote 1 e outras oito no Pote 2.

Conforme a classificação, os times ficarão assim distribuídos (fizemos projeções para os Grupos C e G, que podem não ser confirmadas):

Pote 1

Pote 2

Internacional

River Plate (Argentina)

Cruzeiro

Emelec (Equador)

Olimpia (Paraguai)*

Godoy Cruz (Argentina)*

Flamengo

LDU (Equador)

Cerro Porteño (Paraguai)

Nacional (Uruguai)

Palmeiras

San Lorenzo (Argentina)

Boca Juniors (Argentina)*

Athletico Paranaense*

Libertad (Paraguai)

Grêmio

*Os clubes que estão com asterisco são aqueles que participaram da rodada de quinta-feira (9).