Copom decide levar Selic ao maior patamar em quase 2 anos

Aumento, o quarto consecutivo, foi de 1 ponto percentual; reajuste da taxa para um patamar pré-pandemia é uma tentativa do Banco Central de conter o avanço da inflação no Brasil

0
287
Os aumentos sucessivos da Selic são uma tentativa do BC de segurar a inflação no Brasil (Foto: Agência Brasil)
Os aumentos sucessivos da Selic são uma tentativa do BC de segurar a inflação no Brasil (Foto: Agência Brasil)

DA REDAÇÃO – Com a persistência da inflação em patamar alto e a volta do risco fiscal, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou nesta quarta-feira (4) a Selic (a taxa básica de juros) em 1,00 ponto porcentual, de 4,25% para 5,25% ao ano.

Este foi o quarto aumento consecutivo dos juros e representa uma aceleração do aperto monetário. Nas três decisões anteriores, o BC havia subido a taxa em 0,75 ponto porcentual.

Com a decisão, a Selic está no maior patamar desde outubro de 2019 – antes da pandemia de covid-19. Com a crise sanitária, o BC fez um primeiro movimento no sentido de acelerar os cortes da taxa, que se manteve no mínimo histórico de 2% ao ano de agosto do ano passado a março deste ano. Em um segundo movimento, iniciado em março, o BC recomeçou a elevar a Selic, numa tentativa de controlar a inflação.

O aumento do juro básico da economia reflete em taxas bancárias mais elevadas, embora haja uma defasagem entre a decisão do BC e o encarecimento do crédito (entre seis meses e nove meses). A elevação da taxa de juros também influencia negativamente o consumo da população e os investimentos produtivos.