Depois de oito anos, Partido Democrata volta a ter maioria da Câmara dos Deputados

Trump perde maioria na Câmara, mas amplia bancada no Senado

0
1242
Democratas reassumem liderança da Câmara depois de oito anos
Câmara aprova relief package

O Partido Democrata conquistou a maioria da Câmara dos Representantes depois de oito anos na noite de terça-feira (6), dia das midterm elections. O resultado das eleições legislativas significa uma derrota parcial para o presidente Donald Trump, já que o seu partido, o Republicano, ampliou sua vantagem no Senado. As eleições também definiram novos governadores, commissioners e emendas constitucionais importantes.

Na Câmara dos Representantes, até o momento, os Democratas elegeram 222 deputados contra 199 Republicanos. Já no Senado, são 51 Republicanos contra 45 Democratas.

Nos estados serão ao menos 25 governadores Republicanos e 22 Democratas (três estados ainda não divulgaram resultados). Na Flórida, o Republicano Ron DeSantis levou a melhor com 4.052.118 votos (49.7%) e Andrew Gillum (D) teve 3.996.679 (49%).

O Partido Democrata ganhou em locais onde Trump foi vitorioso em 2016, como o Kansas, Nevada e Michigan.

Câmara

Todas as 435 cadeiras da Câmara estavam em disputa, e um partido precisava de 218 eleitos para garantir a maioria. Para os democratas, isso significava ter que “roubar” 24 postos de seus adversários, o que eles conseguiram. No momento em que os democratas conseguiram 219, o partido de Trump somava 193 deputados eleitos.

Com o domínio Democrata na Câmara, os opositores do presidente também passarão a ocupar mais cargos nas comissões internas e prometem ampliar as investigações sobre seu governo.

Os deputados democratas podem barrar, por exemplo, a liberação de fundos para construção de um muro na fronteira com o México, rejeitar um segundo grande pacote de cortes fiscais e impedir a aplicação de mudanças nas políticas comerciais, como desejava Trump.

A nova Câmara terá ainda a habilidade de investigar as declarações fiscais de Trump, possíveis conflitos de interesse empresariais e alegações envolvendo a campanha do presidente em 2016 e a Rússia.

Senado

Das 35 cadeiras disputadas no Senado, os Democratas precisavam manter as 22 que já mantinham, além das duas dos independentes que os acompanham nas votações, e ainda somar mais duas. Mas, pelo contrário, acabaram perdendo três, nos estados de Indiana, Dakota do Norte e Missouri.

Com isso, a maioria republicana, antes de 50 a 49, se tornou mais folgada, com pelo menos 51 a 45, ainda faltando cinco estados concluírem sua apuração. (Com informações do G1).