Governo Biden planeja acabar com as restrições pandêmicas nas fronteiras

As autoridades estão se preparando para o aumento no fluxo de entrada de imigrantes pela fronteira sul dos EUA

0
1389
Imigrantes são detidos por agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA após cruzarem o rio Bravo para se entregarem a pedido de asilo em El Paso, Texas, EUA (Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters)
Imigrantes são detidos por agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA após cruzarem o rio Bravo para se entregarem a pedido de asilo em El Paso, Texas, EUA (Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters)

DA REDAÇÃO – O governo Biden planeja encerrar as restrições da pandemia da era Trump na fronteira EUA-México até 23 de maio, que impediram em grande parte a entrada de imigrantes nos EUA, segundo três autoridades norte-americanas.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA está finalizando sua avaliação da autoridade de saúde pública, conhecida como Title 42, de acordo com a porta-voz do CDC, Kathleen Conley, e deve anunciar uma decisão em breve sobre revogar, modificar ou estender a autoridade.

O governo Biden está sob crescente pressão de democratas e defensores dos imigrantes para acabar com a autoridade de saúde pública, que os críticos dizem nunca ter sido justificada pela ciência e coloca os imigrantes em perigo.

O ex-presidente Donald Trump invocou a autoridade no início da pandemia de coronavírus, uma medida imediatamente recebida com ceticismo por defensores de imigrantes, especialistas em saúde pública e até funcionários do governo que acreditavam ser motivada por motivações políticas. No entanto, o governo Biden continuou a se apoiar no Title 42, apesar das objeções de seus aliados.

De acordo com dados da US Customs and Border Protection (Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA), 1,7 milhão de migrantes foram enviados de volta ao México ou ao seu país de origem desde março de 2020.

A administração da fronteira EUA-México é uma questão politicamente precária para o presidente Joe Biden antes das eleições de meio de mandato, enquanto os republicanos pressionam o governo por sua agenda de imigração. No ano passado, Biden já enfrentou um influxo de crianças imigrantes desacompanhadas e uma onda de imigrantes em Del Rio, Texas, que resultou em milhares de pessoas debaixo de uma ponte.

Se a ordem for levantada, espera-se que tenha ramificações imediatas. Funcionários do Departamento de Segurança Interna estão se preparando para o pior cenário de até 18.000 pessoas tentando cruzar a fronteira diariamente, um número que certamente sobrecarregará as instalações fronteiriças já lotadas.

Três cenários de planejamento foram elaborados para acionar quais recursos podem ser necessários. O primeiro cenário é onde estão os números atuais de prisões, o segundo cenário é de até 12.000 pessoas por dia e o terceiro cenário é de até 18.000 pessoas por dia, de acordo com um documento de planejamento.

“A natureza e o escopo da migração mudaram fundamentalmente”, disse um funcionário do DHS a repórteres na terça-feira (29).

O Departamento de Segurança Interna criou um “Centro de Coordenação da Fronteira Sudoeste” para coordenar uma resposta a um potencial aumento entre as agências federais. O secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, nomeou a administradora regional da Região 3 da FEMA, MaryAnn Tierney, em março para chefiar o centro.

O fim das restrições da pandemia da era Trump significaria um retorno aos protocolos tradicionais, que podem incluir a liberação de imigrantes nos EUA enquanto passam por seus processos de imigração, detenção de migrantes ou removê-los se não tiverem um pedido de asilo. Os imigrantes que são libertados nos EUA podem ser inscritos em programas alternativos de detenção para monitoramento contínuo.

Como parte do planejamento, o DHS também está fechando contratos de transporte para transportar os imigrantes detidos na fronteira para a recepção, estabelecendo instalações adicionais para processamento e reforçando o pessoal em terra. O governo já começou a oferecer vacinas contra covid-19 a imigrantes encontrados na fronteira sul dos EUA.

Dezenas de milhares de pessoas na fronteira EUA-México

Estima-se que entre 30.000 e 60.000 pessoas estejam no norte do México esperando para cruzar a fronteira sul dos Estados Unidos, de acordo com um oficial da lei federal.

Avaliações de inteligência descobriram que as pessoas estão em um modo de “esperar para ver” e tentando determinar quando têm a melhor probabilidade de entrar nos EUA, disse o funcionário, acrescentando que algumas das 30.000 a 60.000 pessoas poderiam entrar em algumas horas se a regra do CDC for revogada.

A Casa Branca realizou reuniões interagências sobre a inteligência e a situação de forma mais ampla, disse o funcionário.

“A chave é se (os migrantes) percebem se têm uma probabilidade maior de serem bem-sucedidos”, disse o funcionário.

Espera-se que as detenções na fronteira cheguem a 1 milhão no total, meses antes do final do ano fiscal, disse o chefe da Patrulha de Fronteira dos EUA, Raul Ortiz, na terça-feira (29). Esses números também incluem cruzamentos repetidos.

Entre os desafios para as autoridades está a mudança na demografia que chega à fronteira sul dos EUA. Cerca de 40% dos migrantes detidos vêm de outros países que não o México e os países do Triângulo Norte da Guatemala, Honduras e El Salvador, de acordo com um funcionário da Segurança Interna.