Governo dos EUA prepara medida para restringir a oferta de vistos de trabalho

Fontes ligadas à Casa Branca disseram que vistos como L1, H1B, J1 e H2B estão na mira do presidente

0
1701
Obtenção do visto H1B se transformou em um desafio para trabalhadores e empregadores
Governo Trump quer dificultar a imigração de trabalhadores estrangeiros

Fontes ligadas à Casa Branca disseram à CNN que o governo está preparando novas diretrizes para restringir vistos de trabalho para estrangeiros, usando a crise do coronavírus como justificativa. O objetivo do presidente Donald Trump seria preservar os postos de trabalho dos americanos. Não foi informado quando o presidente vai assinar a nova ordem.

A expectativa é que Trump assine uma ordem executiva com restrições e até mesmo a suspensão temporária de uma lista de vistos, que permitem que os imigrantes trabalhem temporariamente nos EUA. Entre eles, os vistos L-1 (que permite que uma entidade sediada no exterior abra um escritório nos EUA); H-1Bs para trabalhadores em uma ocupação especializada, H-2Bs para trabalhadores temporários não agrícolas e vistos J-1 para visitantes de intercâmbio, de acordo com três fontes familiarizadas com os planos.

Espera-se que sejam feitas exceções para atividades relacionadas à Covid-19, como profissionais de saúde e trabalhos relacionados ao suprimento de alimentos, de acordo com as fontes.

Nas últimas semanas, empresas e grupos que empregam estrangeiros apresentaram argumentos favoráveis aos vistos de trabalho, ressaltando a importância da força de trabalho altamente qualificada para a economia dos EUA.

Na terça-feira, um grupo comercial de tecnologia escreveu a Trump argumentando que os vistos de não-imigrante foram fundamentais para sustentar a economia em meio a uma crise global de saúde pública.

A força de trabalho estrangeira dos EUA, escreveu o Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação, “está permitindo que muitos americanos continuem trabalhando remotamente durante a pandemia de Covid-19 e está desempenhando um papel essencial para manter as empresas funcionando com segurança e as pessoas conectadas”.

O ITI é apoiado por empresas como Apple, Google, Microsoft e Oracle.

“Restrições ao nosso capital humano provavelmente resultarão em consequências não intencionais e poderão causar incerteza econômica substancial se tivermos que substituir nosso pessoal com base no país de nascimento”, diz uma carta de maio assinada por centenas de empregadores, empresas, indústrias e associações de ensino superior e grupos. Os signatários incluíram Facebook, Twitter, Google e Lyft, entre outros.

Em uma carta separada a Trump, a coalizão da força de trabalho H-2B reiterou que os vistos são “uma válvula de segurança importante para as empresas atenderem às necessidades sazonais de trabalho” quando não há trabalhadores americanos para preencher os empregos de curto prazo. (Com informações da CNN)