Guia Prático da Saúde

0
3488
Guia Prático da Saúde
Guia Prático da Saúde

Lembro de folhear um livro sobre medicina de meu pai publicado nos anos 1930, Guia Prático da Saúde por Frederico Rossiter. O livro em si já era meio assustador, com ilustrações de doenças como sarampo, varíola, catapora e outras que até hoje me embrulham um pouco o estômago – mas ao mesmo tempo era hilário. As explicações para as doenças soam meio absurdas, pelo menos para nossos ouvidos hoje em dia. Sem falar a contínua menção religiosa e de “pecados” responsáveis por inúmeras moléstias. Precisava escrever mais um texto, então dei uma folheada no livro (e tomei um antialérgico para fazer isso). O português utilizado é completamente diferente do que usamos atualmente – por exemplo, “cellulas”, “funcção”, “paralysia”, “augmenta”, “difficil” – difícil foi escrever essas palavras brigando com o corretor de texto querendo me corrigir o tempo todo.

Obviamente o livro foi escrito para leigos e não para uma escola de medicina, e possivelmente serviria para ser utilizado como auxiliar para famílias sem acesso a médicos. Há algumas sugestões e tratamento lógicos como hidratação, higiene (digo, hygiene), redução da temperatura em casos de febre muito alta, e outras que até hoje usamos. Mas em outros casos… sugerem usar uns ingredientes só encontrados em lojas de bruxaria. Os conselhos são optimos, tipo ter um Casamento Hygienico:“Um homem jamais se uniria a uma mulher que accusasse algum defeito sexual (?!?), assim uma mulher não deve unir-se a um homem que accuse defeito semelhante.” “ A meu ver, nenhum homem que tenha ou haja tido syphilis se deveria casar – temos certeza de que nenhum homem se casaria com uma mulher que soubesse ser syphilitica”.

E tem estatísticas!

– Vinte por cento dos casos de cegueira são devidos à gonorrhéa da parte do pae ou da mãe, ou de ambos;

– Cerca de cincoenta por cento dos matrimônios involuntariamente privados de filhos são devidos à gonorrhéa;

– Cerca de um quarto a um terço dos casos de insanidade, são devidos à syphilis;

Pasmem, “Toda prostituta, seja ella publica ou em particular, contrae mais cedo ou mais tarde alguma moléstia venérea”. Que cuernos seria uma “prostituta particular”?

Explicam as “Polluções nocturnas” – não sabe o que é isso? Tipo, sonho molhado. “Milhares de moços hoje em dia são verdadeiros hypocondriacos sexuaes, porque tem uma tendência mental para a impureza moral, demorando os pensamentos sobre coisas immoraes”. A sugestão é a de “Evitar pensamentos impuros, leituras obscenas, abuso de si próprio e literatura de charlatões”. Vai queimar no inferno, seu desgraçado! Aí, eles têm o tratamento (sério, está escrito isso…). “Injecção no recto de meio litro de agua, retendo-se por cerca de quinze minutos, ou a introducção de agua fria por um tubo fazendo-a voltar por outro”. O quê? Então, para que você não tenha pensamentos impuros deve encher o rabo de água?

A impotência é explicada assim “Excessos sexuaes, moléstia dos testículos, narcóticos, onanismo, excitação mental – o caso dos neurasthenicos sexuaes, acanhamento”. Então, quem é acanhado pode ficar impotente, viu?

Chega de sexo, vou citar alguns itens do índice de Symptomas:

– Allucinações: enxaqueca

– Arrotos: hysteria (minha filha anda bem hystérica ultimamente)

– Baço inchado: peste bubônica

– Cegueira: uso do tabaco

– Cheiro de ácido phenico (essa é ótima): envenenamento pelo ácido phenico (duh…)

– Cor purpurina carregada na vagina: Indícios de gravidez (tem tipo uma tabela de cores?)

– Depressão mental: neurastenia sexual (Mái Gódi)

– Desânimo: veja acima, mesma coisa (são meio fixados nisso…)

– Desejo de urinar: Retenção da urina (não….sério?)

– Desejos sexuais fortes: menopausa (pffff!)

– Dor surda no testículo: Varicocele (nem sabia que testículo ouvia algo, preciso tomar cuidado com o que falo)

– Dores intensa que augmentam: retenção de urina (então basta tirar a água do joelho, né?)

– Falta de memória: menopausa (putz, estou menopausado???)

– Impurezas nos olhos: Enfermidade dos olhos (uau…)

Tem mais um monte de coisas, mas o espaço é hescasso…hipocondríacos da época não tinham o Google, mas garanto que os de hoje ficariam muito mais assustados com o livro!