Os ‘Chapitos’, poderosos traficantes de drogas procurados pelos EUA

Todos, são membros de alto escalão do cartel de Sinaloa e cada um está vinculado a uma acusação federal por sua participação no tráfico ilícito de drogas

0
635
Ovidio Guzman, um dos filhos de “El Chapo”, tem mandado de prisão no México (Foto: Cepropie)
Ovidio Guzman, um dos filhos de “El Chapo”, tem mandado de prisão no México (Foto: Cepropie)

Os quatro filhos de Joaquín Guzmán, conhecidos como “chapitos”, tornaram-se alvos prioritários das autoridades dos Estados Unidos ao oferecerem 20 milhões de dólares em informações que permitam sua captura. A organização dos quatro “Chapitos” conta com pelo menos 5.000 homens armados e controla a transferência de drogas na região norte de Sinaloa, oeste de Sonora e em todos os estados de Nayarit, Chihuahua e Baja California Sur, segundo o Ministério Público Geral da República Mexicana (FGR). Iván Archivaldo Guzmán Salazar, Jesús Alfredo Guzmán Salazar, Ovidio Guzmán López e Joaquín Guzmán López foram identificados pelo governo dos Estados Unidos como “prolíficos traficantes de drogas” dentro do Cartel de Sinaloa.

Todos, segundo as autoridades americanas, “são membros de alto escalão do cartel de Sinaloa e cada um está vinculado a uma acusação federal por sua participação no tráfico ilícito de drogas”.

No entanto, os narcotraficantes, com exceção de Ovidio Guzmán, não têm mandados de prisão no México e, apesar da prisão de seu pai, “El Chapo”, os irmãos continuam dirigindo o negócio. Segundo as fichas expedidas pelos Estados Unidos, Jesús Alfredo “Alfredillo” tem 36 anos é um dos dois “Chapitos”, junto com Iván Archivaldo, os filhos do chefão e sua primeira esposa, María Alejandrina Salazar. “Alfredillo” é um dos 10 criminosos mais procurados pela Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA) desde 2018 e é acusado de conspiração para possuir substâncias controladas com a intenção de distribuí-las, importá-las e exportá-las. 

Enquanto isso, Iván Archivaldo, 38, é descrito como um membro de “alto nível” do Cartel de Sinaloa e junto com Jesús Alfredo prestou assistência significativa a seu pai, incluindo a coordenação do transporte de entorpecentes da América Central e do Sul para o México. como o transporte, distribuição e venda de entorpecentes nos Estados Unidos. Por tudo isso, utilizam táticas como aquisição de armas, corrupção de autoridades, ameaças, sequestros e intimidação de autoridades e membros de organizações rivais.

Os dois irmãos expandiram os negócios e sofisticaram os laboratórios de metafentanila em Culiacán, Sinaloa. Além disso, expandiram as operações de transferência de drogas usando transporte marítimo e túneis nas passagens de fronteira. Os Estados Unidos lembraram que em 2 de abril de 2017, os dois irmãos foram indiciados por um Grande Júri Federal no Distrito de Columbia, por conspiração para distribuir mais de 5 quilos de cocaína, 500 gramas de metanfetamina e 1.000 quilos de maconha.