Policiais atiram em menino autista de 13 anos em Utah

Portador da síndrome de Asperger, o garoto estava em crise quando sua mãe decidiu ligar para os oficias, a fim de pedir ajuda

0
2175
Os policiais pensaram que o menino estava armado (foto: pixabay)
Os policiais pensaram que o menino estava armado (foto: pixabay)

Enquanto seu filho passava por uma intensa crise de ansiedade, Golda Barton decidiu pedir socorro para a polícia de Salt Lake City, Utah, na sexta-feira (4). O chamado foi atendido, mas seu desfecho foi muito mais trágico do que a mulher imaginava.

Em entrevista à KUTV, Golda contou que seu filho, Linden Cameron, de 13 anos é portador da síndrome de Asperger. Naquele dia, ele entrou em uma crise quando viu a mãe saindo para trabalhar.

Durante a abordagem da polícia, os agentes teriam pedido que Golda saísse de casa para que eles pudessem acalmar Cameron. Nesse momento, do lado de fora, a mulher ouviu os gritos do filho seguidos pelo som estrondoso de um tiro.

Segundo os oficiais, Cameron teria tentando fugir da casa. Para piorar, eles pensaram que o menino estava armado e atiraram no garoto. O adolescente foi retirado de casa algemado, apesar do ferimento a bala.

Ao Salt Lake Tribune, o prefeito da cidade, Erin Mendenhall, exigiu investigações minuciosas. “Não importam as circunstâncias, o ocorrido na sexta-feira foi uma tragédia. Espero que a investigação seja rápida e transparente”, anunciou.

Linden Cameron foi rapidamente levado para o hospital e, de acordo com o Washington Post, apresenta lesões espalhadas pelo intestino, bexiga, tornozelos e ombros. Agora, a polícia de Salt Lake City deve investigar o caso usando as câmeras dos uniformes dos agentes presentes no triste episódio.