Segunda rodada de cheques-estímulo cada vez mais longe do bolso dos americanos

Democratas propõem um pacote de $2,2 trilhões, Trump sugere $1,8 trilhão, Senadores republicanos consideram os dois valores “desproporcionais”

0
787
O dinheiro distribuído é parte do orçamento de $243.2 milhões do Orange Cares, Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security (foto: Flickr)
O dinheiro distribuído é parte do orçamento de $243.2 milhões do Orange Cares, Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security (foto: Flickr)

DA REDAÇÃO – Muitos americanos em todo o país estão na expectativa de receberem um segundo cheque do governo federal para ajudar a recuperar as perdas econômicas causadas pela pandemia.

 Com milhões de pessoas desempregadas devido a demissões e cortes causados pelo fechamento da economia, muitas famílias foram forçadas a depender da ajuda do governo para custear suas necessidades básicas.

Mas desde que o presidente Donald Trump e o Congresso não conseguem entrar em um acordo sobre mais uma rodada de pagamentos do cheque estímulo, a porta para essa ajuda do governo parece estar fechada.

“ESTÍMULO, aumente ou vá para casa!” escreveu Trump no twitter nesta terça-feira (13). Dois dias depois, ele tuitou: “Estou pronto para assinar!”.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, têm conversado, e os republicanos do Senado estão trabalhando em sua própria proposta. Um acordo não parece perto, mas com uma eleição se aproximando os eleitores sem dinheiro ainda não perderem as esperanças.

Aqui está o que se sabe até agora sobre a segunda rodada dos cheques-estímulo: 

No início de outubro, a Câmara dos EUA, controlada pelos democratas, aprovou um novo projeto de lei de $2,2 trilhões oferecendo $1,2 mil para a maioria dos contribuintes mais $500 por dependente. Mas a Câmara precisa fazer um acordo com os republicanos responsáveis pelo Senado e pela Casa Branca.

Após sua recente hospitalização por COVID-19, o presidente tuitou que o presidente da Câmara Pelosi “não estava negociando de boa fé” e disse que instruiu seu lado a parar de negociar até depois da eleição de 3 de novembro.

Mas desde o final da semana passada, Trump vem bancando a líder de torcida para um grande pacote de ajuda.

‘Depois que eu vencer’

O presidente insinuou o dilema, dizendo que voltaria às negociações “imediatamente depois que eu vencer” as eleições.

Mas ele corre o risco de ter que assumir estragos econômicos profundos antes do fechamento das urnas, pois companhias aéreas e outros setores atingidos pela pandemia ameaçam demitir mais e mais pessoas, pequenas empresas fecham em massa e escolas enfrentam o desafio de trazer alunos com segurança de volta às salas de aula. Com essa situação posta na mesa, Trump já voltou atrás.

Quando o contribuinte receberá o dinheiro?

Em nome da Casa Branca, o secretário Mnuchin está propondo agora que novos pagamentos diretos façam parte de uma medida de ajuda de $1,8 trilhão – $ 400 bilhões menor do que o projeto da Câmara.

Nancy Pelosi classificou a oferta dos Republicanos de “insuficiente” e “um passo à frente, dois passos atrás”. Enquanto isso, os republicanos do Senado acham que o pacote da Casa Branca é grande demais e dos Democratas é “desproporcional” e estão marcando uma votação para a próxima semana.

Ninguém recebe nenhum dinheiro até que os negociadores concordem em um projeto de lei que seria aprovado pela Câmara e pelo Senado e depois assinado pelo presidente.

Se o novo alívio do covid-19 para os americanos tiver que esperar até depois da eleição, é improvável que novos cheques de estímulo sejam emitidos antes de dezembro.