Será que o Brasil arranca para o Hexa?

0
1392
Neymar ultrapassa Ronaldo Fenômeno e se torna o segundo maior artilheiro da Seleção Brasileira
Neymar ultrapassa Ronaldo Fenômeno e se torna o segundo maior artilheiro da Seleção Brasileira

A Seleção Brasileira tem um duro teste nesta sexta-feira (6). Enfrentar a Bélgica é parada indigesta, apesar de a seleção europeia não ter tradição em conquistas internacionais. Entretanto, esta atual geração belga reúne grandes jogadores que se destacam em grande equipes da Europa.

Vamos analisar nosso adversário. No gol, Thibau Courtois, um dos melhores goleiros do mundo. A zaga tem Kompany, Alderweild e Verthongen. No meio-campo, estão Meunier, Carrasco, De Bruyne e Witsel, enquanto o ataque é formado por Mertens e Hazard nas pontas e Lukaku como centro-avante. O técnico Roberto Martinez ainda tem no banco Dembéle, Chadli e Fellaini, entre outros. Aliás, os dois últimos foram responsáveis pelos gols na vitória sobre o Japão que evitaram a prorrogação e a decisão por pênaltis.

Os craques da seleção da Bélgica são De Bruyne, um meia muito criativo e com excelente passe, e Hazard, um atacante driblador e agudo que sabe concluir bem para o gol. O artilheiro Lukaku aperfeiçoou seu jogo, movimentando-se bem na área e definindo as jogadas, tanto que é o principal goleador do time com quatro gols.

A grande deficiência da seleção belga são suas laterais. Verthongen é bom zagueiro, mas lento como lateral esquerdo. Para ajudá-lo, Martinez montou um esquema no qual Carrasco volta para marcar e sai armando as jogadas pelo lado esquerdo. Na lateral direita, Meunier é muito ofensivo e exige cobertura constante de Witsel para evitar deixa uma lacuna às suas costas. Apesar do esquema bem treinado, a Seleção Brasileira deve explorar a velocidade e os dribles de William (e eventualmente Douglas Costa) do lado direito e de Neymar e Gabriel Jesus, deslocado, pelo lado esquerdo.

Por sua vez, o boa defesa brasileira não pode dar espaço para os avantes belgas. Além de rápidos, sabem definir bem as jogadas. Enfim, será uma partida bem interessante de se assistir.

Como curiosidade, vale destacar as “coincidências”. Do lado belga, Kompany e De Bruyne atuam pelo Manchester City, mesma equipe pela qual jogam Gabriel Jesus e Fernandinho, substituto de Casemiro. No Chelsea, está o goleiro Courtois e Hazard, grande companheiro de Williams, que estará defendendo as cores do Brasil. Meunier joga no PSG, mesmo time de Thiago Silva e Neymar. Mais atrações para dar ainda mais colorido ao espetáculo.

Uruguai x França

Possível desfalque de Cavani enfraquece o Uruguai no jogo contra França
Possível desfalque de Cavani enfraquece o Uruguai no jogo contra França

Duelo bem equilibrado. Uruguai, assim como Brasil, tem a defesa menos vazada da Copa, com apenas um gol sofrido. As duas seleções sul-americanas também marcaram sete gols. Os técnicos Tite e Washington Tabarez apostam na segurança defensiva e confiam em seus atacantes. O Uruguai tem como destaques Cavani, com três gols, e Suarez, com dois.

O problema para a seleção uruguaia é a provável ausência do jogador do PSG. Caso Cavani não possa atuar, o treinador colocará Christian Stuani em campo. Sem dúvida, o poder de fogo diminui bastante. Stuani não joga nem metade do titular e ainda por cima nem atua na mesma faixa de campo. Assim, o poderio do ataque fica todo em cima de Suarez, que será marcado por Varane e Umtiti – este, por sinal, seu companheiro no Barcelona.

A França tem um meio campo eficiente com Kanté, Pogba e Tolisso, que substituirá Matuidi, e no ataque com dois avantes rápidos e eficientes – Griezmann e Mbappé – e Giroud, um centro-avante trombador, de pouca técnica, mas alto e dono de bom cabeceio.

O treinador Didier Deschamps, que integrou aquela equipe da França campeã em 1998 na final sobre o Brasil, tem ainda bons substitutos, como Démbele, Fekir e Lemar. Apesar de ter feito uma fase de grupos pouco entusiasmante, esta equipe mostrou força nas oitavas de final ao eliminar a Argentina, com uma ótima apresentação de Mbappé, autor de dois gols e responsável pelo pênalti sofrido, convertido por Griezmann. Aliás, o jovem francês se tornou o primeiro jogador com menos de 20 anos a marcar gols em fases eliminatórias em Copas Mundiais.

Os vencedores desses dois jogos se enfrentarão por uma das semifinais na terça-feira (10).

Rússia x Croácia

Luka Modric está desfilando seu talento pelos campos da Rússia
Luka Modric está desfilando seu talento pelos campos da Rússia

A grande surpresa das quartas de final é a presença da Rússia. A seleção anfitriã não pratica um futebol vistoso, carece de bons jogadores e está sendo levada pelo entusiasmo dos torcedores. Classificou- com duas goleadas sobre as fracas seleções do Egito e Arábia Saudita e conseguiu levar para os pênaltis o jogo decisivo das oitavas de final contra a favorita Espanha. Foi beneficiado ao ser mais eficiente nas cobranças das penalidades e agora enfrenta Croácia, contando, é claro, com o empurrão das arquibancadas. O brasileiro Marcelo Fernandes é o lateral direito da seleção.

A seleção croata tem mais recursos do que a russa. Tem um meio campo criativo, com destaque para Rakitic e Modric, e um ataque incisivo com Perisic, Rebic e Mandzukic. Deve passear pelos anfitriões e classificar-se para uma da semifinais. Se passarem para as semifinais, podem pelo menos repetir o feito de 1998, na França, quando ficaram em 3º lugar ao participarem pela primeira vez da competição como Croácia. Antes, integravam a extinta Iugoslávia.

Suécia x Inglaterra

Harry Kane desponta como provável artilheiro da Copa do Mundo 2018

Jogo reunindo duas forças do norte da Europa. A Suécia está surpreendendo. Poucos apostavam na seleção escandinava, sobretudo depois de deixar de fora da equipe Zlatan Ibrahimovic, o melhor jogador revelado no país nos últimos tempos. Porém, na base da vontade e do espírito de equipe, os suecos estão pavimentando seu caminho para a final da competição. Para isto, porém, é preciso eliminar a Inglaterra nas quartas de final. No ataque, os destaques são Emil Forsberg e Marcus Berg e na defesa o veterano Granqvist faz dupla de área com o jovem Lindelof, que joga no Manchester United.

Fazia tempo que Inglaterra não levava uma seleção tão interessante para uma Copa do Mundo. O técnico Southgate mesclou experiência com juventude e vem obtendo bons resultados. Os destaques são Dele Ali e Harry Kane – dupla de ataque do Tottenham. Kane é inclusive o artilheiro do torneio. Além deles, há bons jogadores que estão atuando com bastante dedicação. Se os ingleses conseguirem alimentar Kane com precisão, ele pode garantir as vitórias e consequentemente a artilharia da competição. Deste lado da chave, é séria candidate a ser uma das finalistas.