Tragédia de Surfside deve mudar o mercado imobiliário em Miami

0
80

O desabamento do Champlain Towers South em Surfside (FL), em junho, vitimou 98 pessoas e deixou tantas outras desabrigadas. As torres foram construídas em 1981 e estavam se preparando para passar pela certificação de 40 anos: um processo que tem em vista fazer com que os edifícios mais antigos operem de acordo com os atuais códigos e regulamentos de construção da Flórida.

Desde o colapso, conversas sobre como avançar os processos de recertificação de edifícios com mais de 40/50 anos têm sido o tema de muitas discussões entre autoridades e líderes do condado de Miami-Dade e da cidade de Miami Beach.

Esses debates incluem inspeções frequentes feitas por engenheiros e arquitetos, que têm que relatar quaisquer deficiências estruturais que constituem uma ameaça à segurança pública.

De acordo com a lei atual, se o valor das melhorias exceder 50% do valor do edifício, todo o prédio deve ser levado ao código atual, incluindo o cumprimento dos atuais FAR (relação da área do piso), altura e limites de recuo, etc. Em outras palavras, o prédio teria que ser demolido. Esta disposição impediu alguns proprietários de fazer as melhorias necessárias, devido ao alto custo.

À medida que o escrutínio regulatório cresce, aumenta também a preocupação com o contínuo aumento do custo de vida no litoral. O sul da Florida sempre foi um destino para aproveitar a aposentadoria para muitos Americanos – esse crescimento no custo de vida são diferenças que muitos aposentados e outros com um orçamento fixo simplesmente não podem cobrir. Isso pode ser a tempestade perfeita para os empreendedores, criando uma situação que eles simplesmente não podem passar.

O sucesso do 57 Ocean, a única nova construção em frente à praia ao sul do Eighty Seven Park, mostra que há demanda (e dinheiro) para tais projetos.

A substituição de prédios mais antigos por torres de alto luxo vai gerar uma gentrificação inesperada com preços elevados, que apenas alguns podem pagar.

O Sul da Flórida já é um destino para milionários e bilionários em todo o mundo, considerando que os imóveis aqui são uma pechincha em comparação com outras áreas metropolitanas em todo o mundo.

Simplesmente não há comparação de preços de propriedades em Miami e no resto do mundo. Veja Tóquio, Hong Kong, Londres, Rio de Janeiro, a lista pode continuar.

Uma coisa é certa, o mercado imobiliário do litoral de Miami será definido como antes e depois do colapso do Chaplain Towers. Podemos esperar uma Miami bem diferente daqui a cinco anos.