Turista australiana é deportada dos EUA depois de postar diário de viagem em redes sociais

História vivida pela australiana serve de alerta para o que as pessoas postam na internet

0
54359
Molly foi detida e deportada após suspeitas
Molly foi detida e deportada após suspeitas

Uma turista australiana foi enviada a um centro de detenções do U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE) depois de chegar ao Havaí para passar três meses de férias românticas com o namorado americano. Ela detalhou que os agentes do ICE leram o diário dela na Internet e decidiram que ela não tinha planos de voltar ao país de origem.

Molly Hill, de 26 anos, pediu demissão do emprego na área de marketing na Austrália e foi para o Havaí passar as férias com visto de turista e passagem de volta.

“Eles estavam convencidos que eu queria imigrar ilegalmente porque em meu diário havia notas como ‘sair para beber’ e ‘último dia no trabalho’; coisas que eu organizei antes de viajar por três meses”, escreveu ela em sua página no Facebook.

Ela detalhou que os agentes desconfiaram dela no momento que chegou em Honolulu devido ao namorado dela ser americano e rapidamente a levaram para uma sala de interrogações, enquanto vasculhavam a bagagem da jovem e o diário. Após 6 horas, os agentes a algemaram e a levaram ao centro de detenções, onde ela foi despida e revistada.

Os agentes no centro de detenção foram pelo menos mais amigáveis que os de imigração, detalhou a jovem. Um deles disse a ela: “Você deveria ter se apaixonado por um canadense”.

Na manhã seguinte, ela foi levada algemada de volta ao aeroporto, pagou $620 por um bilhete aéreo para Sidney. A Patrulha da Fronteira (CBP) informou ao News.com.au que as autoridades pensaram que Molly planejava se casar nos EUA e que tinha o tipo errado de visto.

“Hill aplicou para a entrada como visitante para turismo – o que significa que ela era elegível para permanecer nos Estados Unidos por um período curto de tempo – sob o programa de isenção de vistos (VWP). Entretanto, após inspeção, os agentes do CBP descobriram que Hill apresentou informações conflitantes e, então, foi determinado que ela não era admissível para o VWP”, informou o órgão.

Segundo fontes, as autoridades suspeitaram que Molly e o namorado planejavam se casar porque ela portava “certidão de nascimento, passaportes antigos, histórico escolar e diplomas na bagagem”, mas a jovem alega que ela simplesmente mantém seus documentos pessoais próximos a ela e que o casal não planeja se casar tão cedo. (Com informações do Brazilian Voice).