A Moldávia procura brasileiros

0
3245

Por Dr. Joel Stewart

Esta semana encontrei com uma delegação da Moldávia, um país europeu perto da Romênia. Durante a época soviética, a Moldávia fazia parte da União Soviética mas em 1991 a União deixou de existir, e daí em diante a Moldávia começou a fazer convênios comerciais com a Europa.

Hoje a Moldávia aproveita as boas relações tanto com a Europa como com os países da ex-União Soviética. O povo é principalmente cristão e fala um idioma que mistura o latim com o eslavo. A Moldávia pretende entrar na União Europeia e na OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) no futuro.

A vantagem da Moldávia é poder oferecer aos investidores estrangeiros a condição de ser um país que compreende a cultura e a filosofia comercial de dois continentes e de suas esferas de influência política. Sendo assim, a Moldávia pode oferecer uma estrutura estável para empresas latino-americanas que desejem estar sediadas na Europa. Haveria a possibilidade de tirar um passaporte de Moldávia também, ou seja, um passaporte para poder morar e trabalhar na Comunidade Européia.

Quem chegou em Miami foi o embaixador da Moldávia nos Estados Unidos, Igor Munteanu, que já serve como embaixador no Canadá e no México, e espera ser embaixador no Brasil também. Junto com ele chegou o chefe do Parlamento e o chefe de um grupo de empresas chamadas “Accent”.

A Moldávia pretende colocar o país em dia, incluindo a nova eletrificação de todo o país e a instalação de um sistema telefônico 4-G. Neste caso, ofertas são bem-vindas de qualquer grupo de empresas qualificadas para trabalhar com estes projetos. A Moldávia também procura investidores para viabilizar os projetos.

Na quarta feira, dia 25 de janeiro, realizou-se um almoço “Apresentação da Moldávia”, em Miami, junto com Sergiu Gherman, advogado americano nascido na Moldávia que trabalha em Miami com casos internacionais. Sergiu estudou numa escola russa na Moldávia, antes de imigrar aos EUA. Um apoio especial foi fornecido por Maria Dreyfus-Ulvert, especialista no Escritório de Desenvolvimento Econômico e de Comércio Internacional de Miami.