Alexandre Kalil deixa o Atlético-MG ovacionado pela torcida

0
767

O polêmico Alexandre Kalil deixou a presidência do Atlético Mineiro na última terça-feira (2). No lugar de Kalil, Daniel Nepomuceno assume como dirigente-mor. Em seis anos no cargo, Alexandre Kalil personificou, numa mesma figura, o atleticano apaixonado e o executivo bem-sucedido. O resultado foi constatado em títulos expressivos (conquista da Libertadores da América, Recopa Sulamericana e Copa do Brasil 2014) fazendo do Atlético da atualidade o melhor de todos os tempos.

Na noite de domingo, Kalil esteve no Estádio Independência para a despedida da torcida. Desfilou no gramado, foi aclamado pela torcida e se emocionou.

Se sua presidência terminou bem, o começo não foi fácil. Filho do ex-presidente Elias Kalil, Alexandre Kalil, pegou o clube em uma turbulenta crise política em 2008.

Com seu jeitão autoritário, cortou gastos, superou lutas contra o rebaixamento, mas ousou em contratações de peso, e fez o Galo, pela primeira vez, campeão da América em 2013, além de tirar o time de uma fila nacional de 43 anos com a conquista da Copa do Brasil.

Kalil deixa o cargo sem qualquer arrependimento. “O Atlético tem uma casa (Independência) e um salão de festas (Mineirão). Tem um elenco que deu dois bailes na Copa do Brasil. Provou que está forte. O estádio vai ser feito e é um caminho sem volta para o Atlético”, adiantou o dirigente, ainda sem dar detalhes.

De legado, ele faz questão de citar ainda o trabalho “enxuto” de sua diretoria e os frutos da categoria de base.

Alexandre Kalil deixa a presidência, mas não deixará de trabalhar nos bastidores. O futuro presidente Daniel Nepomuceno e seus diretores sabem que o papel de Kalil continuará sendo fundamental.

“O Kalil é imprescindível. Ele foi o responsável por reerguer o clube, é muito da personalidade dele, que conseguiu um resultado rápido”, destaca Nepomuceno. “A vivência do Kalil nesse tempo de mandato é uma experiência espetacular. Ele vai ser um cara útil para nós”, destacou o diretor de futebol, Eduardo Maluf.

Alexandre Kalil disse que sentirá falta do papel do dia a dia, mas que entrega o cargo com toda a convicção para seu sucessor. “Ele está pronto”, destacou.