América Latina se une contra lei imigratória da Carolina do Sul

0
546

Dezesseis nações da América Latina e do Caribe uniram-se a favor da demanda do Departamento de Justiça dos Estados Unidos contra a nova lei de imigração da Carolina do Sul, a SB20, temendo que seus cidadãos sejam alvo de discriminação autorizada pelo estado.

Brasil, México, Honduras, Equador e Chile estiveram entre os países que apresentaram documentos esta semana pedindo para se unir à ação apresentada pelo Departamento de Justiça em Charleston. Na disputa, advogados federais pediram à corte que impeça o estado de aplicar uma lei que entra em vigor em janeiro.

A medida exige que policiais efetuem detenções de trânsito e chamem funcionários da imigração se suspeitarem que alguém está no país sem permissão. Os que se opõem à lei a qualificam como racista.

As nações manifestam em seus documentos que sua relação é com os Estados Unidos e não deveria ser afetada pelo que fazem os estados. Apresentaram protestos similares contra a nova lei imigratória do Alabama.

O México disse que tem interesse em proteger seus cidadãos e assegurar que sua origem étnica não seja utilizada como base para atos de discriminação. Este ponto de vista foi compartilhado por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Paraguai, Peru e Uruguai.

O Departamento de Justiça está impugnando leis similares no Alabama e Arizona, e está revisando as de Utah, Indiana e Geórgia. O órgão argumenta que as leis estaduais desviam recursos para combater terrorismo, contrabando de drogas e atividade de quadrilhas, e causará mal estar e detenção de visitantes estrangeiros, imigrantes legais ou cidadãos americanos que não possam demonstrar imediatamente seu status legal.

Mas os que apoiam estas leis estaduais afirmam que elas não seriam necessárias se o governo federal fizesse seu trabalho de aplicar a lei. Rob Godfrey, porta-voz da governadora Nikki Haley, disse que ela não vai recuar diante das demandas.